Benfica

Nuno Cabral enviou telemóveis dos árbitros ao Benfica, acusa Francisco J. Marques

Francisco J. Marques acusou ontem Nuno Cabral de fornecer o número de telemóvel de pelo menos quatro árbitros ao Benfica, através de Paulo Gonçalves e de Pedro Guerra.

Citando emails que terão sido enviados em 2015, o diretor de comunicação do FC Porto questionou os motivos para um delegado da Liga dar os números de telemóveis dos árbitros ao chefe do departamento jurídico do Benfica.

“Nuno Cabral trabalhava para o Benfica ao mesmo tempo que trabalhava para a Liga”, afirmou Francisco J. Marques.

As acusações surgiram em forma de perguntas: “A que propósito é que Paulo Gonçalves precisa dos telemóveis dos árbitros? Porque é que o Benfica precisa dos telemóveis dos árbitros? E é normal que um delegado da Liga envie estas informações a um clube?”

“Isto é espionagem a favor de um clube, para esse clube tirar vantagens e é feito por gente que trabalhava para o Benfica”, insistiu o responsável portista, na edição de ontem do Porto Universo da Bancada.

Francisco J. Marques citou ainda outro email que aponta Hélder Lamas, árbitro que será sócio do FC Porto, como estando “proibido de subir” à primeira categoria.

“O e-mail diz que Hélder Lamas é um protegido do staff do FC Porto, é sócio e adepto do FC Porto, odeia o Benfica e está proibido de subir a C1… Está proibido? Expliquem o que é estar proibido de subir”, exigiu.

“A APAF que faça a defesa do árbitro Hélder Lamas”, ironizou ainda Francisco J. Marques: “E quem é que pode proibir? É o Benfica? O Hélder Lamas é um dos árbitro mais promissores da segunda categoria e estava vetado pelo Benfica”.

Mais partilhadas da semana

Subir