Mundo

Processo de destituição contra Bolsonaro é desenlace anunciado

O antigo Presidente brasileiro Fernando Collor de Mello declarou hoje que a abertura de um processo de destituição contra o atual chefe de Estado, Jair Bolsonaro, é um desenlace já anunciado na crise política que o Governo enfrenta. Pela via do Congresso, “são favas contadas”.

“É imprevisível, neste sentido, se vai ser de um lado [judiciário] ou de outro [Congresso]. Mas que o processo de destituição é um desenlace já anunciado, provavelmente é”, afirmou Collor de Mello, ao ser questionado sobre o assunto durante uma entrevista ao portal de notícias UOL.

De acordo com o ex-Presidente brasileiro, alvo de um processo semelhante em 1992, existem dois caminhos que podem terminar com a queda do atual governante.

O primeiro caminho está no Supremo Tribunal Federal (STF), instância judicial máxima do país, que já investiga formalmente uma acusação de interferência política na Polícia Federal feita pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro contra o Presidente brasileiro.

O segundo caminho seria o Congresso, onde Bolsonaro é alvo de inúmeros pedidos de destituição e não possui uma base de apoio consolidada para protegê-lo.

“Pelo que vi isso são favas contadas. Se houver manifestação do Supremo Tribunal Federal indo para o Congresso, será autorizado esse processo imediatamente. Saindo do Supremo esta decisão de torná-lo réu será recebida pelos deputados”, declarou Collor de Mello, que atualmente ocupa uma cadeira no Senado (câmara alta parlamentar).

“Isto poderá não caminhar no Supremo [Tribunal Federal]. A Câmara dos Deputados [câmara baixa parlamentar] tem cerca de 20 e tantos pedidos de impeachment [destituição] para serem analisados. O presidente da Câmara dos Deputados será forçado, pelas circunstâncias, a estabelecer qual deles vai retirar dali para iniciar um processo [de destituição]”, acrescentou.

Collor de Mello avaliou que a situação se agravou porque Jair Bolsonaro negou reiteradamente instrumentos do regime democrático e isto deverá “pesar contra ele”.

Neste ponto, o senador e ex-Presidente concluiu argumentando que há cerca de uma semana Bolsonaro discursou numa ação que defendia uma intervenção militar no país, organizado por seus apoiantes na cidade de Brasília.

0Shares

Em destaque

Subir