Nas Notícias

Governo admite ajustar apoio ao alojamento estudantil às rendas locais

O Governo está a pensar adequar o complemento de alojamento para os estudantes do ensino superior consoante os valores médios das rendas onde estudam, acabando com o valor fixo igual em todo o país.

A medida foi anunciada hoje pelo secretário de Estado do Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira, durante a discussão na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), que esteve a ser debatida hoje na audição conjunta das comissões parlamentares das Finanças e do Ensino Superior e Ciência.

A falta de oferta de quartos a preços acessíveis para os estudantes das universidades e politécnicos foi um dos temas debatidos pelos deputados, que defenderam que não basta baixar o valor das propinas para garantir o acesso ao ensino superior.

Neste momento, o Governo tem em curso o Plano Nacional de Alojamento que tem por objetivo dar uma resposta “cabal e robusta” aos alunos bolseiros e aos alunos mais carenciados, disse o secretário de estado.

Além da oferta de camas a preços acessíveis por parte das entidades públicas, o Governo acredita que poderá contar também com a ajuda dos privados neste projeto.

Como os preços dos quartos variam muito de cidade para cidade, o Governo está a estudar a hipótese de alterar o diploma que atualmente disponibiliza um complemento de alojamento para os alunos carenciados que não encontra cama a preços acessíveis.

Atualmente, o apoio ronda os 170 euros independentemente da cidade em que o aluno estuda, mas poderá haver mudanças em breve: “Estamos já a pensar adequar melhor ainda o que é o complemento do alojamento”, revelou Sobrinho Teixeira.

Segundo o governante, a ideia é adequar o apoio á realidade da cidade em que o estudante vive. “Na reformulação do regulamento de atribuição de complemento de alojamento manteremos essa base que está igual para todos (cerca de 170 euros), mas depois consoante a realidade do país, que é diferente (…) iremos adequar esse complemento de maneira a que possa dar essa resposta.”

Sobrinho Teixeira deu como exemplo o caso de Bragança, onde quase 90% dos alunos estão deslocados e a maioria acaba por estar hospedada no setor privado, “que pratica preços entre os 100 e os 120 euros para quartos ‘single’”.

Ali, os alunos não precisam pagar qualquer diferença, mas o governante referiu que “os preços de Bragança não são de todo em todo possíveis noutras regiões” e por isso está a estudar a hipótese de “adequar esse complemento de maneira a que possa dar essa resposta e possa haver essa atitude global”.

A secretária-geral da Juventude Socialista, Maria Begonha, já tinha anunciado a intenção de apresentar uma proposta no sentido de haver uma majoração do complemento de alojamento para estudantes, “que deve ser proporcional ao valor mediano do metro quadrado das rendas”.

A ideia é “conceder um apoio maior aos estudantes colocados em áreas em que se registem maiores dificuldades no que respeita ao acesso à habitação”.

O Plano de Alojamento, iniciado no anterior mandato, prevê a disponibilização de 7.900 novas camas até ao final do ano e mais 5.197 em 2021, segundo um programa que deverá terminar em 2030, altura em que os estudantes terão mais 30 mil camas, ou seja, cerca do dobro das atuais.

0Shares

Em destaque

Subir