Nas Redes

GNR e civil protagonizam episódio agitado no Algarve

Circula nas redes sociais um vídeo que está a gerar forte polémica, onde aparecem militares da GNR envolvidos numa confusão, alegadamente durante uma ação de apreensão de canábis, no Algarve, numa das zonas afetadas pelo incêndio de Monchique. O vídeo mostra um militar a afastar um civil de forma violenta, civil esse que tem uma linguagem também agressiva.

Ponto prévio: A teoria que corre nas redes sociais revela que tudo se passou entre a GNR e um alemão, de seu nome Robert Francis, que terá perdido os seus bens por via do fogo florestal de Monchique, tendo conseguido, porém, salvar cinco burros.

As forças da autoridades, segundo o que se sabe, para já, estariam no local numa missão de tentativa de apreensão de canábis, que o alemão, alegadamente, teria.

Quanto ao resto, o que se passa durante esta ação tornada pública ficou registado em vídeo.

Importa, desde logo, salientar que não é possível, com os dados disponíveis, verificar quanto tempo durou a busca e que proporções tomou esta ação de patrulha, além do que é visível no vídeo.

E mesmo aí, pode não estar toda a história, já que o vídeo pode ter sofrido cortes e, se assim for, a história não estará toda lá.

Vamos, por isso, limitar o relato ao que dá para ver nas imagens e o que se vê já dá ‘pano para mangas’.

O que mostra o vídeo…

À chegada do carro patrulha, os militares tentam abordar um indivíduo.

O vídeo, filmado do exterior da viatura policial, mostra que a receção às autoridades foi tudo menos pacífica.

As imagens revelam que mal o carro da patrulha parou, gerou-se uma confusão entre as partes.

Na gravação, ouve-se alguém a falar em português – com sotaque – enquanto vai gravando um registo que, nos segundos seguintes, mostra o carro da autoridade a tenta recuar.

Após isso, em seguida, é feita uma tentativa para acelerar o jipe, enquanto a pessoa que faz a gravação dá ideia de começar a correr em fuga.

Após nova tentativa de abordagem entre as partes, alguém tenta chegar-se ao condutor do carro da GNR (carro esse que tinha vários guardas no seu interior, de acordo com o que mostram as imagens) e o militar que conduzia a viatura tem uma atitude ‘pouco comum’.

Depois, o jipe afasta-se do local, enquanto se ouve alguém – que a dado momento tem uma linguagem ofensiva para com os militares – a dizer algumas palavras sobre a situação.

“Em que mundo vivemos? Procuram canábis e as pessoas aqui a morrer?”, ouve-se a dizer a pessoa que, supostamente, estava a gravar o vídeo que caiu nas redes sociais.

Mais partilhadas da semana

Subir