Mundo

“O Moro, covarde, ficou calado”, acusa Bolsonaro

 Jair Bolsonaro acusou Sergio Moro, ex-ministro da Justiça do Brasil, de covardia. “Graças a Deus ficámos livre dele”, afirmou o Bresidente brasileiro.

Em causa estava a divergência entre ambos num aspeto relacionado com a gestão da pandemia, que Bolsonaro chegou a classificar como “gripezinha”.

De acordo com o chefe de Estado, Sergio Moro queria deter e multar quem não cumprisse o isolamento social, contrariando a ideologia do Governo de manter a economia a funcionar.

“Por isso, naquela reunião secreta [ministerial, divulgada pelo Supremo], o Moro, de forma covarde, ficou calado. Ele queria ainda uma portaria que multasse quem estivesse na rua. Essa era a pessoa que estava lá, perfeitamente alinhada com outra ideologia que não era a nossa”, afirmou Bolsonaro, durante um comício em Brasília.

“Vocês estão a entender um pouquinho sobre quem estava no meu lado”, acrescentou.

“Moro ignorou decretos meus e ignorou a lei, para dificultar a posse e o porte de arma de fogo para cidadão de bem”, concluiu o Presidente do Brasil.

Sergio Moro pediu a demissão no final de abril, acusando Jair Bolsonaro de tentativa de interferência na Polícia Federal, na sequência da demissão do ex-chefe da instituição Maurício Valeixo.

0Shares

Em destaque

Subir