Motores

Nani Roma admite que talvez tenha sido demasiado defensivo no ‘Dakar’

Segundo classificado no Rali Dakar 2019, Nani Roma admite que talvez tenha sido demasiado conservador na forma como abordou a prova.

O espanhol da X-Raid terminou a mais de 46 minutos de Nasser Al-Attiyah, ficando a ideia que se tratou apenas de ‘sobreviver’ para depois concluir a prova como o ‘melhor dos outros’. E isto com custos de tempos e alguns problemas, pois o navegador Alex Haro terminou o rali com fissuras nas vértebras.

Nani Roma talvez não tenha figurado nas parangonas das notícias sobre o ‘Dakar’, mas fez uma prova sem erros, evitando assim os percalços que Sebastien Loeb, Stéphane Peterhansel e Carlos Sainz tiveram.

“Estamos contentes porque foi uma corrida muito dura, com dias bastante ‘stressantes’. Não tivemos um segundo de descanso. Estou contente por ter terminado em segundo. O meu navegador lesionou-se nas costas e isso fê-lo sofrer imenso no final do rali. Tenho de lhe agradecer, pois correu cinco dias com fissuras nas vértebras”, declarou o piloto catalão.

Sobre a estratégia adotada Roma explicou: “Guiamos calmamente de forma constante até final. Talvez tenhamos sido bastante conservadores, talvez com demasiadas peças de substituição no carro, nomeadamente na etapa maratona. Pensávamos que os outros teriam mais problemas, mas Nasser foi demasiado limpo”.

“É uma boa sensação com que saio do Peru, sobretudo pelo valor do resultado e tendo em conta os adversários que tivemos de defrontar. Quando se batalha com pessoas como Sebastien Loeb, Carlos Sainz, Stéphane Peterhansel ou Nasser Al-Attiyah isso representa bastante. Nasser fez uma corrida perfeita, não cometeu erros e merece a vitória sem qualquer contestação. Mas esta edição, com bastantes dunas e areia fora de pista, era feita para ele”, acrescentou o espanhol.

Mais partilhadas da semana

Subir