Motociclismo

Mário Patrão desolado com a morte de Paulo Gonçalves

Mário Patrão foi o melhor piloto de motos na sétima etapa do 42º Rali Dakar, mas a parte desportiva acabou por ser secundária, face à trágica morte de Paulo Gonçalves.

Afinal, para o piloto de Seia, como para os restantes concorrentes nacionais presentes na prova ‘rainha’ do todo-o-terreno, ‘Speedy’ era um amigo e um ídolo. Uma personalidade muito respeitada, como era para a restante caravana do ‘Dakar’.

Sabendo já do cancelamento da etapa de amanhã para as motos – decidida pela organização para que os concorrentes das duas rodas fizessem o luto – Mário Patrão não escondeu as lágrimas para falar de Paulo Gonçalves.

“Não há palavras que possam descrever aquilo que sinto. Por trás destas competições estão as nossas vidas e sempre com um enorme sofrimento. Mas hoje esta realidade dói mais e abala-nos a todos. Perdemos um amigo, um excelente ser humano e um piloto incrível”, afirmou o piloto da KTM # 31

Mário Patrão acrescenta: “Colocamos tudo em causa. Os meus sentimentos a toda a família. Não consigo sequer assimilar o que aconteceu. Uma coisa é certa; o Paulo será sempre o nosso ‘Speedy’ Gonçalves e os seus feitos nunca irão desaparecer”.

242Shares

Mais partilhadas da semana

Subir