Motores

Filipe Albuquerque “gostava de ter chegado ao pódio” em Le Mans mas o quarto lugar é mais do que esperava

À sexta participação nas 24 Horas de Le Mans Filipe Albuquerque conseguiu o seu melhor resultado na prova. O quarto lugar em LMP 1 foi mais do que esperava, apesar de ter adorado subir ao pódio se tal tivesse sido possível.

Depois de arrancar de sexto da categoria para esta que é a ‘mãe’ de todas as corridas de endurance, o piloto português procurou ganhar o maior número de posições nos seus turnos de condução enquanto esteve a bordo do Ligier JSP217 # 22 da United Autosport.

Juntamente com Phil Hanson e Paul di Resta Albuquerque mitigou parte do ‘handicap’ que ainda continua a separar o Ligier dos outros protótipos de LMP2, nomeadamente os Oreca e o Alpine que viria a ganhar a prova na categoria.

A perseverança e também os erros de adversários acabaram por concorrer para que a quarta posição fosse o resultado possível depois da tripla luso-britânica ter rodado constantemente entre os seis primeiros da sua categoria.

“A nossa corrida decorreu na perfeição. O carro portou-se bem sem qualquer problema de fiabilidade e nós, pilotos, fizemos o nosso trabalho sem grandes contratempos, excepção feita ao ‘drive-through’ que me foi imposto, mas, para além disso, andámos sempre bem e ao ritmo que o carro permitia”, avaliou Filipe Albuquerque no final da prova.

O piloto de Coimbra destaca também o bom ritmo que a sua equipa conseguiu manter ao longo da prova, apesar do ‘handicap’ face à concorrência direta: “Fomos de longe o melhor Ligier e dificilmente conseguiríamos fazer melhor, salvo se algo acontecesse aos nossos adversários. Infelizmente o nosso carro está longe dos Oreca em termos de performance. Eles são mais rápidos e não havendo percalços, era difícil chegarmos a eles”.

“Ainda recuperámos dois lugares, de sexto até quarto, e ficámos na expectativa do que poderia acontecer nas últimas horas. Infelizmente nada mudou e o quarto lugar foi o resultado possível”, sublinhou Albuquerque.

A rematar o piloto português faz um balanço positivo da sua participação: “Gostava de ter chegado ao pódio, mas acho que o quarto lugar foi  mais do que esperávamos no início da prova e um resultado justo, para o andamento que conseguimos impôr. Termino as 24 Horas de Le Mans com o sentimento que dei o melhor, que não cometi erros e que não havia nada que pudesse fazer. Para o ano, quem sabe, consiga o tão desejado pódio”.

Mais partilhadas da semana

Subir