Nas Notícias

Ex-assessor do CDS pede a Nuno Melo “seriedade nas críticas”

Nuno Melo criticou o facto de a telescola ter emitido, numa aula, um vídeo de Rui Tavares, fundador do Livre. O assunto, que gerou forte polémica nesta segunda-feira, mereceu um comentário de Alexandre Homem Cristo, ex-assessor do CDS que não compreende as palavras do seu colega de partido.

O eurodeputado Nuno Melo foi alvo de duras críticas, de diversos quadrantes políticos e até do próprio partido, pelas suas palavras, num tweet onde colocou em causa a participação de Rui Tavares num vídeo divulgado por professoras de História.

“Entre tantos, Rui Tavares foi escolhido para a telescola, destilando ideologia e transformando alunos em cobaias do socialismo. Nem disfarçam”, acusa o centrista, sugerindo que o fundador do Livre estaria a lecionar na telescola.

Com palavras duras, Nuno Melo falou em “política travestida de educação”, acusando Tavares de transformar “alunos em cobaias do socialismo”.

O assunto gerou trocas de palavras, nas redes sociais. E o ex- assessor do CDS, Alexandre Homem Cristo, repudiou a ideia de Nuno Melo.

“Vi, há já vários dias, que o Rui Tavares aparecia no #EstudoEmCasa, por via de duas professoras recorrerem a um conteúdo existente gravado para fins educativos. Nada a criticar, era só o que faltava. Haja pluralismo, haja autonomia pedagógica e haja seriedade nas críticas”, escreveu.

O próprio fundador do Livre agradeceu estas palavras.

“Obrigado também ao Alexandre Homem Cristo, ex-assessor do CDS para a educação, por reconhecer o que está aqui em causa. Importante que haja em vários partidos quem defenda a autonomia pedagógica e a liberdade académica (com cumprimento da deontologia, como foi e tem de ser sempre o caso)”, apontou.

Rui Tavares, refira-se, foi escolhido por duas professoras, para uma lição, em vídeo, durante uma aula de História e Geografia de Portugal do 5.º e 6.º anos, no dia 24 de abril, da telescola.

O tema da aula era ‘Da Expansão Marítima do século XV à manutenção do Império Colonial no século XX’.

0Shares

Em destaque

Subir