Europa

Disparam casos de internamentos por consumo excessivo de água na Dinamarca

Tudo o que é de mais faz mal: até beber água. Para enfrentar uma onda de calor pouco habitual na Dinamarca, as pessoas desataram a beber água, muita água. Só que bebem tanto que acabam no hospital.

Por todo o país, os hospitais referem um aumento exponencial dos internamentos provocados pelo consumo excessivo de água.

“Em alguns casos, estavam tão doentes que tiveram de ser admitidos nos cuidados intensivos”, revelou Henrik Ancher Sørensen, investigador e médico do hospital de Holbæk.

Neste hospital, foram já internadas mais de 20 pessoas por beberem demasiada água, quando as estatísticas revelam uma média anual de dois internamentos.

“Por ironia, são idosos que estão a fazer exatamente o que temos recomendado há anos: beber muita água”, salientou Sørensen.

Mas, sendo o corpo humano composto em 70 por cento por água… como é possível adoecer-se por beber demasiada água?

As recomendações da Organização Mundial de Saúde apontam para um consumo diário de 2,5 litros de água.

Só que os dinamarqueses, pouco habituados ao calor que se abateu sobre o país, estarão a beber quantidades muito superiores às aconselhadas.

Este consumo de água não é acompanhado por um reforço de sais e outros minerais, que – tal como a água – são eliminados pela transpiração.

A queda súbita dos níveis de sal ou de outros minerais pode provocar um estado de confusão, cãibras, vertigens e até perda de consciência.

Nos casos mais extremos, o excesso de água pode tornar o sangue tão diluído que se torna potencialmente fatal.

Este verão, a Dinamarca tem registado temperaturas a rondar os 40 graus, um calor nada habitual para este país nórdico.

Mais partilhadas da semana

Subir