Nas Notícias

Costa defende “grande união entre democratas e progressistas” contra a extrema-direita

O primeiro-ministro português defendeu hoje a necessidade de diálogo para criar uma “grande união entre democratas e progressistas” que permita fazer frente à extrema-direita, tendo em vista a formação de uma maioria clara nas instituições europeias.

“Nas próximas eleições para o Parlamento Europeu nenhum partido vai ter maioria e é necessário construir alianças”, disse o governante português, em declarações ao jornalistas, antes de se encontrar com o Presidente francês, Emmanuel Macron, no Palácio do Eliseu, em Paris.

Em Paris, esta segunda-feira, para uma visita relâmpago antes das eleições europeias que inclui um jantar com Emmanuel Macron, António Costa disse que os democratas e progressistas têm de trabalhar em conjunto para contrariar a “internacional de extrema-direita” que se reuniu este fim de semana em Itália e conseguirá eleger muitos eurodeputados nas eleições de 26 de maio.

“Naturalmente que temos de trabalhar em conjunto na Europa e garantir que, a partir da próxima segunda-feira, entre as diferentes famílias políticas, há capacidade de diálogo que permita uma grande união entre democratas e progressistas na Europa […] Quando vemos a extrema-direita a construir uma internacional à escala europeia, é tempo de compreender que independentemente das diferenças entre uns e outros, todos os democratas e progressistas sejam capazes de ter uma visão comum que responda de uma forma positiva aos anseios e necessidades dos cidadãos”, indicou o primeiro-ministro português.

Em resposta aos jornalistas que questionaram o facto de António Costa parecer mais próximo de Emmanuel Macron, – cujo partido (República em Marcha) se sentará possivelmente no grupo dos liberais -, do que dos socialistas franceses, o primeiro-ministro português desvalorizou a rivalidade política nesta questão.

“Temos de ter um diálogo com toda a gente, e enquanto primeiro-ministro de Portugal eu falo com todos os que se sentam no Conselho Europeu porque é assim que tem de se produzir o diálogo e construir as soluções políticas[…] A Europa, hoje, está muito pulverizada em termos políticos”, afirmou o governante.

O primeiro-ministro disse ainda que a aliança com a França tem sido “muito frutuosa”. “Tem sido uma aliança muito frutuosa que nos tem permitido colocar como prioridade um tema que há três anos e meio só o Governo português e o Governo grego colocavam como prioridade, que era a reforma da zona euro, que hoje, com o grande impulso do Presidente Macron, é uma das questões centrais”, indicou António Costa, citando a proposta de uma capacidade orçamental da zona euro para financiar a competitividade e convergência dos 28 que vai ser apresentada em junho.

O primeiro-ministro visitou durante esta tarde os armazéns BHV, onde Portugal tem um lugar de destaque até dia 25 de junho como país convidado, teve depois uma reunião com Anne Hidalgo, presidente da Câmara de Paris, e jantará com Emmanuel Macron no Eliseu.

Mais partilhadas da semana

Subir