Desporto

Árbitros italianos recebem balas pelo correio como protesto ao VAR

A utilização do vídeoárbitro (VAR) não é unânime no campeonato português, mas em Itália o caso assume contornos assustadores. Esta semana, alguns árbitros do campeonato italiano receberam balas pelo correio, como protesto dos adeptos a algumas decisões deste novo sistema de arbitragem.

A polémica em torno do vídeoárbitro não se cinge apenas a Portugal, onde algumas decisões já foram postas em causa pelos jogadores e dirigentes de diversos clubes.

Em Itália, contudo, o problema é de proporções gigantes, com centenas de adeptos da Lázio, por exemplo, a manifestarem-se em frente à Associação italiana de Árbitros, em Roma. Esta semana, revelou o presidente da associação, vários árbitros foram ameaçados de morte, ao receberem pacotes com balas pelo correio.

“A AIA recebeu pacotes com balas destinadas a mim, ao vice-presidente e ao selecionador Nicola Rizzoli”, revelou Marcello Nicchi.

Na mesma conferência, que teve lugar esta quinta-feira, Nicchi denunciou um jornalista de incitar os adeptos à violência contra os árbitro e de divulgar estatísticas erradas acerca da violência contra os juízes.

“Um jornalista disse em direto: ‘Em guerra tens de disparar, nós temos de disparar aos árbitros'”, afirmou.

Esta temporada marcou o início da utilização do vídeoárbitro nos campeonatos português e italiano, sendo que o sistema vai também ser uma ferramenta durante o próximo Mundial’2018, na Rússia.

Mais partilhadas da semana

Subir