EUA

Finge-se de morto e prova que a mulher o queria matar

Um homem foi obrigado a simular a própria morte, para conseguir provar às autoridades que a mulher encomendara o seu assassinato. Também um agente do FBI teve de fingir ser o homicida. Resultado: a mulher acabou por confessar o crime.

A bizarra história ocorre no Texas, nos EUA, mas parece basear-se num thriller de Hollywood, com uma grande diferença: qualquer semelhança com a vida real não é pura coincidência.

Segundo conta o The Sun, Ramon Sosa, um treinador de boxe, casou com Maria Sosa, em 2010, mas a relação degradou-se, devido a problemas financeiros, e o divórcio tornou-se inevitável.

Em 2015, Maria encomendou a morte do marido. Só que cometeu um erro de principiante: tentou contratar os serviços a um amigo de Ramon. Pagava 2000 euros pelo homicídio.

O suposto homicida encontrou-se com Maria para combinar detalhes, com o objetivo de a incriminar. Levou consigo um microfone, que permitiu reunir prova.

O treinador de boxe ficou a saber das intenções da mulher e pediu ajuda ao FBI. O plano traçado para apanhar a criminosa foi, no entanto, bizarro: Ramon Sosa teria de se fingir de morto.

“Fazer de conta que estava morto foi horrível”.

A cena, digna de um filme, foi criada com o objetivo de fotografar o ‘corpo’ e mostrar a prova do crime a Maria. E aqui reuniu-se a prova que faltava.

A mulher encontrou-se com um agente do FBI, que se fez passar pelo autor do crime, mostrando-lhe as fotos.

“Maria Sosa riu-se quando viu as imagens do marido ‘morto’”, revela o agente.

Acabou por confessar o crime e foi condenada a uma pena de prisão de 20 anos.

Receba esta e outras notícias virais no seu e-mail todos os dias!


Patrocinado

Newsletters PT Jornal

O que quer receber?

Mais partilhadas da semana

Subir