Nas Notícias

O depoimento brutal de um bombeiro que arrasa o Governo

Marco Francisco, bombeiro de Cantanhede no quadro de reserva, escreveu um depoimento que tem chocado as redes sociais. Este soldado da paz lembra os camaradas que perderam tudo enquanto combatiam as chamas noutros lados e ‘dispara’ críticas ao Governo. “Aqueles que vos devem um pedido de desculpa assobiam para o lado!!!” e “deixam cá fora todos os incendiários com ‘termos de identidade e residência'”.

“Afinal, muitos de vós que em junho criticavam a Agnes de dizer as verborreias mentais que ela disse sobre os bombeiros portugueses, quatro meses depois proferem as mesmas barbaridades quando viram aquilo que era vosso tomado pelas chamas”, explica o bombeiro, em declarações ao porta Vida de Bombeiro.

“E então deixem-me que vos pergunte, o que alterou de junho até ao passado domingo que vos tenha feita mudar de opinião tão repentinamente? Não sabem? O que mudou foi um dispositivo que viu os seus meios cortados pelo Governo mesmo depois das previsões adivinharem aquilo que se viu nos primeiros 15 dias de outubro. Esse mesmo Governo que no final de setembro mandou embora 20 meios aéreos e cerca de 4222 operacionais”, diz.

Marco Francisco explica o que leva um bombeiro a deixar tudo para combater as chamas.

“Vão porque o amor à causa, à divisa, ao próximo… aquele bicho que morde por dentro e mete o sangue a fervilhar de adrenalina quando o dever os chama, porque isso tudo os deixa inquietos e só acalmam quando estão lá na frente – cara a cara com o diabo, ‘pró’ agarrar pelos ‘corn**'”.

O bombeiro vai mais longe e diz o que lhe custa nestes dias.

“Ler, ver, ouvir e sentir o sofrimento que todos os meus camaradas passaram naquelas que devem ter sido as 48 horas mais longas de suas vidas. E depois ler, ver e ouvir as atrocidades e barbaridades com as quais vocês acusaram os bombeiros e a forma de ingratidão mais dura e crua que pode existir no ser humano”, revela.

“A desbravar-se para salvar aquilo que é meu e possivelmente tem o que ele dele a arder…”

“E já não falo naquilo que um Bombeiro sofre por dentro quando sai e diz “até já” à mãe, ao pai, à esposa ou aos filhos bebés, sem saber se na realidade voltará ou não”, diz, e apresenta mais argumentos.

“E já não falo naquilo que um bombeiro sofre quando passa e vê que não conseguiu salvar a vossa casa, o vosso anexo, o vosso fruto de uma vida, ou até mesmo a vossa vida”, salientou.

E prosseguiu: “E já não falo na sensação de impotência e culpa própria que irá carregar esses bombeiros para o resto da vida a partir deste dia, fruto da ingratidão sentida nas palavras que da vossa boca saíram para os acusar e culpabilizar de tudo e mais alguma coisa”.

E o lamento não se fica por aqui. “E já não falo nos pesadelos que os atormentarão o resto da vida carregados de mares de chamas e corpos carbonizados, imagens do que viveram e que nunca mais esquecerão”.

O bombeiro fala, então, das pessoas que mais pretende falar.

“A coisa que vos falo é do bombeiro de Tondela que perdeu o pai nas chamas no domingo, enquanto ele combatia as chamas noutro lado a salvar o que não era dele”, disse, continuando.

“A coisa que vos falo é do comandante de Vouzela, que enquanto salvava as vossas habitações e bens no domingo, perdeu a casa dele completamente devorada pelas chamas”, lembra e não fica por aqui.

“A coisa que vos falo é de bombeiros de Mira e outras tantas corporações por esse país fora que viram perder os seus bens, casas ou carros, enquanto andavam a combater as chamas para salvar o que era vosso. É desses bombeiros que vos falo”.

“Aqueles bombeiros que para além de terem de sofrer com as palavras da vossa ingratidão, tiveram de sofrer com a ingratidão da vida ao ver arder aquilo que era deles enquanto salvavam o que era vosso”.

“Corta-me o coração ver os meus camaradas em sofrimento com a impotência da situação, de lágrimas na cara, depois de terem feito das tripas coração para tentar salvar o máximo possível daquilo que é vosso, depois de terem de ouvir todas as palavras de ingratidão que saíram da vossa boca nas mais variadas forma”, insiste.

“Querem exigir responsabilidades, exijam-nas ao Governo; querem responsabilizar alguém pelas mais de 100 vítimas mortais, falem com o Governo”

A finalizar, o bombeiro diz que “depois, de consciência tranquila e alma lavada, juntamente com o obrigado digam, ‘desculpa bombeiro, desculpa'”.

Receba esta e outras notícias virais no seu e-mail todos os dias!


Vídeos em Destaque

Patrocinado

Newsletters PT Jornal

O que quer receber?

Mais partilhadas da semana

Subir