Economia

PSI20 fecha a subir 0,11% e contraria tendência da maioria das bolsas europeias

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI20, encerrou hoje em alta de 0,11 por cento, para 5.020,71 pontos, contrariando a tendência da maior parte dos mercados europeus.

Das 18 cotadas que integram o PSI20, seis subiram e as restantes estavam a perder terreno. A maior valorização era apresentada pela EDP, de 2,19 por cento para 3,18 euros, que hoje divulga os resultados dos primeiros nove meses do anos.

Entre as seis subidas figuram ainda a Corticeira Amorim, com mais 1,43 por cento para 9,91 euros, a REN – Redes Energéticas Nacionais que avançava 1,34 por cento para 2,42 euros, a Sonae Capital, igualmente em alta de 1,34 por cento para 0,76 euros, a Pharol, a ganhar 0,61 por cento para 0,17 euros e a Altri a avançar 0,40 por cento para 7,47 euros.

A REN divulgou hoje os resultados dos primeiros nove meses do nao, quando obteve lucro de 90,9 milhões de euros, mais 2,3 por cento do que no mesmo período de 2017, enquanro o EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) atingiu 378,4 milhões de euros, mais 3,8 por cento .

O grupo dos títulos que estavam a descer era liderado pela Mota Engil, em baixa de 1,91 por cento para 1,75 euros.

Também a perder terreno estavam a a Ramada Investimentos, com menos 1,10 por cento para 8,95 euros, a EDP Renováveis em baixa de 0,76 por cento para 7,80 euros, a NOS SGPS a cair 0,67 por cento para 5,16 euros e a Sonae SGSP com menos 0,58 por cento para 0,86 euros.

Também a NOS apresentou os resultados da sua atividade até setembro, com o lucro a subir 17 por cento face a igual período de 2017, para 123 milhões de euros, e as receitas a progredirem 0,7 por cento para 1.167 milhões de euros.

Com quedas abaixo de 0,50 por cento estavam a Ibersol para 8,42 euros, a Navigator para 4,13 euros, a Semapa para 15,80 euros, o BCP para 0,25 euros, a Galp Energia para 14,95 euros, os CTT para 3,39 euros e a Jerónimo Martins para 10,81 euros.

O BCP teve lucros de 257,5 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, um acréscimo de 93,1 por cento face ao período homólogo, como anunciou hoje ao mercado.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o banco liderado por Miguel Maya anunciou que a atividade em Portugal teve um “evolução muito favorável”, tendo contribuído com 114,9 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2018, comparando com 0,8 milhões de euros no mesmo período de 2017.

No resto da Europa, Londres subia 0,33 por cento, enquanto Frankfurt perdia 0,45 por cento, Paris estava em baixa de 0,13 por cento e Madrid descia 0,10 por cento.

Mais partilhadas da semana

Subir