Nas Notícias

Frente Comum diz que Centeno é “mentiroso” e “não sabe fazer contas”

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, acusou hoje o ministro das Finanças de fazer o “papel de mentiroso”, de ser “mau economista” e não saber fazer contas, desafiando Mário Centeno a preparar-se melhor.

“O papel que ele [o ministro das Finanças] está a fazer é de mentiroso, para conseguir subir na carreira, para conseguir fazer a política que o PS com a administração pública já é hábito”, disse, contrapondo que os dados oficiais mostram que os trabalhadores nos últimos dez anos perderam 16 por cento em média de poder de compra”, e não tiveram um aumento do salário médio de 8 por cento desde 2018, como anunciou o governante.

“[Mário Centeno] é um mau economista, não sabe fazer contas”, afirmou, desafiando o ministro a “preparar-se melhor”, e acusando ainda o Governo de não ter como prioridade nem os trabalhadores, nem o povo português.

“Nós consideramos que o Governo tem dinheiro suficiente para fazer aumentos de salários de acordo com as propostas dos sindicatos que nem sequer discutiu”, afirmou a dirigente sindical, lembrando que a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano inclui dinheiro para isenções dos grandes grupos económicos.

O Governo “tem dinheiro, tem [para aumentos salariais superiores]. Só o dinheiro que vai dar para os grandes grupos económicos, em isenções fiscais, o dinheiro que vai dar em aquisições de serviços para contratar os amigos (…), que vai pagar em juros da dívida (…) que vai dar ao Novo Banco, que já é recorrente…”, afirmou Ana Avoila.

Ana Avoila acusou ainda o Governo de se limitar a anunciar um aumento salarial na função pública de 0,3 por cento e de 3,2 por cento da massa salarial, incluindo progressões, com o efeito do descongelamento, promoções e outras valorizações além da atualização.

Ana Avoila acusa o executivo de “não desmontar” o aumento de 3,2 por cento e de usar “dados errados” para esse cálculo: “se for confirmar os dados que o Governo tem na DGAEP [Direção-Geral da Administração e do Emprego Público] e depois os do Centeno haveremos de ver que há uma diferença grande”.

A líder sindical diz que “não é verdade” o aumento de 3,2 por cento e que o ministro das Finanças anunciou “uma construção em que põe uma parcela daquilo que já gastou em 2018, já gastou em 2019, no que vai gastar no final de 2019, e depois acresce gastos com contratação de pessoal, com equipamentos dos serviços, entre outros.

“Ou seja, o que o Governo diz é que os custos de trabalho passam a ser referência para aumentos de salário e depois junta isso tudo para iludir, enganar. É uma falácia, é enganar os trabalhadores e a opinião pública”, acrescentou.

Para “dar uma resposta forte” à proposta do Governo de aumentos na função pública, e mostrar a indignação dos trabalhadores da administração pública face a essa proposta, Ana Avoila anunciou a realização de uma manifestação nacional da função pública, na tarde de 31 de janeiro, “para encher Lisboa de gente de todo o lado do país”.

A manifestação foi aprovada esta manhã pela Coordenadora da Frente Comum, órgão no qual estão representados os 30 sindicatos desta frente sindical afeta à CGTP, e anunciado em conferência de imprensa realizada de seguida, e não tem ainda a localização definida.

83Shares

Mais partilhadas da semana

Subir