Nas Notícias

Bolsas europeias em alta à espera das previsões do FMI

As principais bolsas europeias estavam hoje a negociar em alta, à espera das previsões económicas do Fundo Monetário Internacional (FMI), depois de as ter revisto em baixa em abril.

Cerca das 09:20 em Lisboa, o EuroStoxx 600 subia 0,40 por cento para 389,30 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt avançavam 0,50 por cento, 0,33 por cento e 0,85 por cento, bem como as de Madrid e de Milão, que subiam 0,68 por cento e 0,54 por cento, respetivamente.

Depois de ter aberto em alta, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 09:20, o principal índice, o PSI20, subia 0,41 por cento para 5.202,40 pontos.

Além das previsões do FMI, os mercados vão estar atentos à comparência da comissária europeia do Comércio, Cecilia Malmstrom, na comissão de comércio do Parlamento Europeu para debater o acordo comercial com o Mercosur, que suscita dúvidas no setor agrário e nos grupos ecologistas.

Entretanto, os mercados estão cada vez mais confiantes numa descida a curto prazo das taxas de juro na zona euro e nos Estados Unidos e analistas citados pela Efe referem que na reunião de política monetária da próxima quinta-feira o Banco Central Europeu (BCE) poderá cortar de forma adicional a facilidade de depósitos.

Em relação às taxas de juro nos Estados Unidos, os mercados estão confiantes numa descida das taxas de juro já em 31 de julho, depois de na quinta-feira um membro da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed) ter feito comentários favoráveis a uma redução das taxas de juro.

Na agenda macroeconómica, o dado mais relevante da semana vai ser a estimativa do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no segundo trimestre na sexta-feira, que poderá dar mais pistas sobre a decisão da Fed na reunião do final do mês.

Se a Fed descer as taxas de juro esta será a primeira vez desde 2008.

Na Europa, os investidores também vão manter-se atentos ao Reino Unido, onde se espera que Boris Johnson seja eleito líder do Partido Conservador e, portanto, assuma o cargo de primeiro-ministro.

Em Espanha, os investidores estão cautelosos, à espera da investidura do socialista Pedro Sánchez como presidente do Governo.

O debate da investidura que pode desembocar, se for para a frente o acordo do PSOE com Unidas Podemos, no primeiro Governo de coligação à escala nacional da democracia espanhola, começou na segunda-feira.

Entretanto, os investidores também continuam atentos à evolução das relações comerciais entre Washington e Pequim.

Na segunda-feira, a bolsa de Wall Street terminou em alta, com o Dow Jones a avançar 0,07 por cento para 27.171,90 pontos, contra o atual máximo desde que foi criado em 1896, de 27.359,16 pontos, registado em 15 de julho.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a subir 0,71 por cento para 8.204,14 pontos, contra o atual máximo, de 8.258,18 pontos, também verificado em 15 de julho.

A nível cambial, o euro abriu hoje em baixa no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,1192 dólares, contra 1,1219 euros na segunda-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em setembro abriu hoje em baixa, a cotar-se a 63,18 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, menos 0,08 dólares do que no fim da sessão anterior.

O barril de petróleo Brent esteve acima dos 85 dólares no início de outubro.

Mais partilhadas da semana

Subir