Nas Notícias

António Costa isola e responsabiliza Marta Temido

O primeiro-ministro isolou a ministra da Saúde na reunião sobre a covid-19, responsabilizando Marta Temido pelas falhas no combate à pandemia, avançou hoje a Visão.

De acordo com a revista, António Costa irritou-se de tal forma que levou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a dar o encontro por encerrado.

O incidente ocorreu durante a reunião que se realizava na sede do Infarmed, na qual participavam especialistas em saúde pública e parceiros políticos e sociais, para além dos citados Presidente, primeiro-ministro e ministra da Saúde.

De acordo com fontes que a Visão cita sem identificar, António Costa por várias vezes cortou a palavra a Marta Temido, na altura da intervenção desta.

O primeiro-ministro chegou a responsabilizar a ministra da Saúde pelas falhas no combate à pandemia, argumentando que o tipo de linguagem e a falta de clareza dos dados têm perturbado a estratégia de contenção.

Costa chegou mesmo a corrigir Marta Temido quando esta usou o termo ‘confinamento’, referindo que o país nunca esteve em confinamento e dando como exemplo o facto da atividade económica nunca ter completamente paralisado.

Neste ponto, o primeiro-ministro aludiu especificamente ao setor da construção civil, que manteve a atividade e é agora apontado como um dos ‘culpados’ pelo aumento dos casos na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Ainda de acordo com as fontes citadas pela revista, Costa acusou Marta Temido de não conseguir passar uma mensagem de serenidade, responsabilizando-a pelas críticas de que o Governo tem sido alvo devido ao aumento dos casos em Lisboa e Vale do Tejo.

“Visivelmente aborrecido”, o primeiro-ministro levantou-se mesmo da cadeira para “deixar claro” que, caso não esteja a tomar as medidas adequadas para Lisboa e Vale do Tejo, tal será imputado à “falta de clareza” dos dados que lhe têm chegado.

A irritação de António Costa teve um motivo: à nona reunião no Infarmed, o governante foi pela primeira vez contrariado pelos epidemiologistas presentes.

“Foi um momento de frustração porque a retórica de que está tudo bem acabou”, de acordo com uma fonte que a Visão cita como ‘responsável político’.

Marta Temido não reagiu, escutando as respostas de António Costa em silêncio.

A irritação era tanta que António Costa despediu-se de Marcelo, que estaria “incrédulo” a assistir à cena, e abandonou a reunião, obrigando o Presidente da República a dar a mesma por terminada.

0Shares

Em destaque

Subir