Confusão entre Terapias Complementares e Religião

Um debate tem sido praticado por aqueles que, por diversas razões, rejeitam as terapias complementares como forma de complemento à medicina tradicional. Ainda hoje participei numa troca de opinião em relação à publicação de uma notícia sobre a iniciativa de levar o Reiki às escolas, onde tinha como comentário “Tiram as Cruzes das escolas e introduzem o reiki. Onde é que isto vai parar…?”. Esta afirmação deve-se ao facto da Lei Portuguesa permitir a retirada de símbolos Cristãos dos Edifícios Públicos, com o intuito da defesa da igualdade de todas as religiões. Acção que é condenada pelas comunidades cristãs que relacionam este símbolo ao corpo de Cristo.

E por outro lado legislaram o uso de terapias complementares nos estabelecimentos de saúde.

Na minha opinião existe aqui alguma confusão entre terapias alternativas, tais como o Reiki, a espiritualidade e a religião. Para começar o reiki não é uma religião, mas sim um complemento à saúde, como muitos outros que podem ajudar a promover mais felicidade. Todos temos acesso às evidências científicas acerca do uso destas ferramentas como auxiliares na promoção de uma melhor saúde e bem-estar. Assim como relatos contrários, em que testemunham que a prática destas técnicas os levaram a processos bastante dolorosos e que tiveram que recorrer a ajuda médica tradicional, ou mesmo junto da igreja para que se promovesse a cura. No que vou constatando com a minha prática e estudo é que tudo é energia e ao invocarmos energias supostamente puras para nossa purificação temos que ter o cuidado de eliminar as que são mais densas… pois caso contrário corremos o risco de acentuar aquilo que de menos positivo vive em nós. E sim, alerto para esta evidência, é muito importante que todos aqueles que optam por um caminho de aumento de consciência no sentido de se “elevarem espiritualmente”, o que isso significar para cada um, tenham atenção com a forma como vão dirigir esta nobre aprendizagem. O acompanhamento e orientação por aqueles que já iniciaram este caminho torna-se fundamental, além do respectivo estudo científico para que saibam exactamente aquilo que estão a fazer. Isto serve tanto para a prática da religião como para outra prática qualquer. O princípio é o mesmo, conhecimento da energia…

Não vamos misturar religião e crescimento espiritual, colocando em causa métodos tão saudáveis que nos ajudam no equilíbrio da nossa saúde mental, emocional e física. Só há uma verdade, tudo é energia, tudo é atraído por nós e se algo corre mal com o uso destas “práticas” é porque provavelmente foram usadas sem precaução.

E muito mais haveria para dizer acerca desta realidade, mas não me irei estender, o importante é deixar a mensagem de que tudo é mais simples do que realmente parece e só temos que utilizar a nossa inteligência e coragem para sairmos da nossa zona de conforto para nos irmos adaptando à evolução da raça e percebermos que hoje graças aos nossos antepassados temos acesso a variadíssimos experimentos naquilo que Somos e como se “rege” este Universo em que habitamos.

Deus é Amor, Deus é Energia, Deus não condena, Deus não distingue. E cada um de nós é livre para escolher o seu caminho com base na sua verdade e não com aquilo que é imposto. E está tudo bem em seguirmos religiões, logo que não tenhamos o egoísmo de condenar aqueles que por outros trilhos viajam.

Isso é Amor, aceitar o outro como ele é e como ele escolhe experienciar a vida… Penso que todos, independentemente da religião que cada um pratica, tenham como “prece” uma vida mais feliz e saudável para a Humanidade.


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir
error: