Desporto

Bruno de Carvalho ao ataque: “Vou votar não a tudo”

O Presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, não poupou ninguém no seu discurso que marcou o início da Assembleia Geral Extraordinária do clube. José Roquette, Madeira Rodrigues e até Marco Silva foram visados.

Intitulado de “Porque vou votar não a tudo”, o discurso de Bruno de Carvalho foi disparado em várias direções.

“José Roquette diz que sou populista e o Trump do futebol português. Um homem que representa tudo o que há de errado neste país. Este senhor nem a cultura geral tem para saber o significado da palavra populista. Populista é aquele que pratica práticas políticas no estabelecer de uma relação entre as massas e a liderança. Um líder carismático. Sou esse líder, que se afastou das elites e dos grupos e grupinhos”, atirou Bruno de Carvalho, citando a Wikipédia para o efeito.

O líder leonino não foi meigo nas palavras, dirigindo-se também ao ex-candidato Madeira Rodrigues, que “fugiu de Portugal mas já fez mais intervenções desde dia 3 do que fez na campanha eleitoral”.

“Nos últimos 20 anos ninguém ouviu falar deste senhor no universo sportinguista”, refere.

Também os comentadores Carlos Seixas e Carlos Severino foram alvos de Bruno de Carvalho, acusando-os de passarem informações ao rival Benfica.

“Têm sido vedetas da TV e podem passar informações ao Correio da Manhã ou a [Luís Filipe] Vieira. Merecem ser felizes e quem sabe, votando todos não, lá poderá [Carlos] Seixas trabalhar na Academia e [Carlos] Severino ser o diretor da Sporting TV. É preciso é voltar ao tempo dos favores”.

Por fim, o presidente do Sporting teceu também duras críticas a Rui Morgado e Marco Silva, respetivamente antigo secretário da Mesa da Assembleia Geral e técnico da equipa principal do Sporting.

“O que ele andou a gritar pela tribuna sobre a gestão do seu Marco Silva, aquele que por minha influência foi despedido do Olympiacos, desceu de divisão uma equipa que gastou milhões e foi despedido do Watford. Esse Marco Silva que disse aos jornalistas que eu nunca o ia despedir do Sporting, mas que seria ele a fazer com que os sportinguistas me despedissem a mim”, afirmou.

Bruno de Carvalho discursava na Assembleia Geral do Sporting, onde espera que sejam aprovados os dois pontos da ordem de trabalho que geraram controvérsia na última AG.

Caso as alterações de estatutos e as mudanças no regulamento disciplinar não sejam aceites por 75 por cento dos votantes, o líder leonino apresentará a sua demissão.

Mais partilhadas da semana

Subir