Desporto

Wolverhampton vence Manchester City com reviravolta e é quinto em Inglaterra

O Wolverhampton bateu hoje o Manchester City por 3-2, depois de estar em desvantagem de dois golos, com a formação liderada pelo técnico português Nuno Espírito Santo a subir ao quinto lugar da Liga inglesa de futebol.

O jogo a contar para a 19.ª jornada ficou marcado pela expulsão do guarda-redes dos ‘citizens’, o ex-benfiquista Ederson, logo aos 12 minutos, depois de carga sobre o atacante luso Diogo Jota, mas o Manchester City, mesmo com menos um homem em campo e a jogar na condição de visitante, chegou à vantagem aos 25 minutos por intermédio de Raheem Sterling, que marcou de penálti.

Depois de, numa primeira tentativa, o extremo inglês ter permitido a defesa do guarda-redes Rui Patrício – o VAR assinalou uma saída irregular da linha de baliza -, o português voltou a defender o primeiro remate de Sterling, mas a bola sobrou para o jogador do City, que marcou na recarga.

Apesar da boa réplica dos ‘Wolves’, que tentavam tirar partido da superioridade numérica, o marcador não mexeu até ao intervalo e, já no segundo tempo, foi mesmo a equipa de Guardiola a chegar novamente ao golo por Sterling (50 minutos), que concluiu com mestria um rápido contra-ataque, assistido por De Bruyne.

Mas, o Wolverhampton nunca desistiu e viu o esforço recompensado cinco minutos depois, graças a um remate forte e rasteiro à entrada da área do hispano-maliano Adama Traoré, que devolveu a esperança à formação mais ‘portuguesa’ da Premier League.

Rui Patrício, João Moutinho, Rúben Neves e Diogo Jota foram titulares e Rúben Vinagre e Pedro Neto foram lançados no encontro, enquanto no City, Bernardo Silva atuou durante todo o jogo e João Cancelo não saltou do banco.

E, foi pouco depois de Vinagre e Neto entrarem no relvado que os ‘Wolves’ alcançaram a igualdade, pelo inevitável Raúl Jiménez (ex-Benfica), que recolocou a igualdade no marcador, aos 82 minutos, após assistência de Traoré.

A formação da casa acreditou na vitória até ao fim e, com a posse de bola fixada numa invulgar vantagem para os ‘Wolves’ (62 por cento contra 38 por cento do City, que jogou cerca de 80 minutos com 10), chegou mesmo ao golo aos 89 minutos, por intermédio do defesa irlandês Matt Doherty, que bateu Cláudio Bravo – rendeu Ederson após a expulsão -, depois de uma excelente combinação com Jiménez.

Antes do apito final do árbitro do encontro, ainda houve tempo para Sterling enviar uma bola à barra da baliza de Patrício na cobrança de um livre direto à entrada da área do emblema da casa, mas o 3-2 persistiu até ao fim.

Com os três pontos conquistados, a equipa de Espírito Santo ascendeu ao quinto lugar, com 30 pontos, em 19 jornadas, à frente do Tottenham, de José Mourinho (29 pontos), enquanto o City, que podia ultrapassar o Leicester na segunda posição, segue em terceiro com 38 pontos.

Pior, os ‘citizens’, campeões em título, deixaram escapar ainda mais o Liverpool, estando já com uma desvantagem de 14 pontos, sendo que os ‘reds’ têm apenas 18 jogos disputados e contam com 52 pontos, somando 17 vitórias e um empate.

O campeão europeu e mundial Liverpool está, assim, muito bem lançado para conquistar um cetro que lhe escapa desde a longínqua temporada de 1989/90.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir