África

Laboratório quer produzir metade dos medicamentos consumidos em Cabo Verde com nova fábrica

Os laboratórios Inpharma estimam produzir metade dos medicamentos consumidos em Cabo Verde após a construção de uma nova unidade fabril, num investimento de seis milhões de euros para também apostar na internacionalização, previu hoje fonte da empresa.

A projeção foi feita à imprensa pela diretora geral da Inpharma, Elizete Mascarenhas Lima, no âmbito do lançamento da primeira pedra para a construção da nova unidade fabril da empresa luso cabo-verdiana, numa área de 3.700 metros quadrados, na zona industrial de Tira Chapéu, cidade da Praia.

Segundo a responsável, a Inpharma produz 35 por cento dos medicamentos consumidos em Cabo Verde, mas assim que a nova fábrica estiver pronta, o que deverá acontecer no segundo semestre de 2020, a empresa poderá produzir 50 por cento dos medicamentos consumidos no país.

A diretora-geral indicou que a Inpharma produz neste momento 85 medicamentos diferentes e 74 moléculas e que com a nova fábrica a empresa vai aumentar a sua capacidade de produção em quatro vezes, pretendendo também começar a produzir outros produtos.

Com maior capacidade de produção, Elizete Lima afirmou que outro grande objetivo da Inpharma é a criação de novos postos de trabalho e apostar na internacionalização.

“Com a dimensão do mercado cabo-verdiano, esta capacidade será, com certeza, para dar resposta além-fronteiras. Em primeiro lugar os países vizinhos da região (África Ocidental), a CPLP, os PALOP e, porque não, a Europa”, reforçou a diretora geral, que não descartou a possibilidade de a Inpharma começar também a produzir antirretrovirais.

A nova unidade fabril, que foi lançada no dia que a Inpharma comemora 25 anos, é um investimento de seis milhões de euros, financiado pelos acionistas, que são o Estado, através da Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos (Emprofac), e outras empresas cabo-verdianas.

A primeira pedra foi lançada pelo primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, que destacou a Inpharma como um “caso de sucesso” no mercado cabo-verdiano, que conseguiu vingar-se por “competências e capacidades próprias”.

O chefe do Governo cabo-verdiano salientou que a empresa conseguiu criar um mercado de competitividade para redução da importação de medicamentos e tem uma “base sólida” que hoje permite entrar em novos mercados, particularmente em África.

O ato contou com a presença do secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Eurico Brilhante Dias, que terminou hoje uma visita de dois dias a Cabo Verde.

Mais partilhadas da semana

Subir