África

Inflação angolana sobe em abril, mas atinge acumulado a 12 meses mais baixo desde 2016

Os preços em Angola aumentaram 1,05 por cento entre março e abril, valor que coloca a inflação acumulada a 12 meses em 17,36 por cento, o valor mais baixo desde janeiro de 2016.

De acordo com o relatório mensal do Instituto Nacional de Estatística (INE) angolano sobre o comportamento da inflação, divulgado hoje, o Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN) baixou face aos 1,07 por cento registados em março e a variação acumulada desde janeiro é de 4,40 por cento.

Com este registo, a inflação acumulada nos últimos 12 meses diminuiu, passando de 17,56 por cento para 17,36 por cento, o valor mais baixo desde o período que terminou em janeiro de 2016.

A classe “Habitação, Água, Eletricidade e Combustíveis” foi a que registou o maior aumento de preços com 1,73 por cento. Os preços subiram também nas classes “Lazer, Recreação e Cultura” (1,38 por cento), “Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção” (1,25 por cento) e “Alimentação e Bebidas não Alcoólicas” (1,21 por cento).

Segundo o INE, as províncias angolanas que registaram maior aumento foram as do Uíge (1,2 por cento), Cuanza Sul e Moxico (ambas com 1,17 por cento), Cuanza Norte (1,16 por cento) e Malanje (1,15 por cento).

As com menor variação foram Benguela (0,72 por cento), Bié (0,90 por cento), Cunene (0,95 por cento), Lunda Sul (1,01), Namibe (1,03 por cento) e Luanda (1,06 por cento).

No Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2019, o Executivo prevê uma taxa de inflação (a 12 meses) de 15 por cento.

Em 2016, a inflação em Angola (12 meses) chegou a 41,12 por cento, em 2017 desceu para 23,67 por cento, e fechou 2018 nos 18,60 por cento.

Mais partilhadas da semana

Subir