Nas Notícias

Greve na Torre de Belém, Jerónimos e Museu de Arqueologia com adesão total

A greve dos funcionários da Torre de Belém, Mosteiro dos Jerónimos e Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, teve adesão total no segundo dia, e os trabalhadores vão avançar com novas formas de luta, disse à Lusa fonte sindical.

“A adesão foi de 100 por cento nos três serviços. Os [13] trabalhadores não compareceram”, disse à Lusa Catarina Simão do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas.

Em causa, segundo o sindicato, estão a falta de condições de trabalho, com a presença de ratos nos espaços de serviços, atrasos no pagamento de trabalho suplementar em dias de eventos, impedimento de gozo de dias de descanso e alteração de período de férias.

A sindicalista disse ainda que, até ao momento, o Ministério da Cultura, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e a direção dos monumentos não deram resposta às reivindicações dos funcionários.

Perante este cenário, os trabalhadores vão avançar com novas formas de luta que serão decididas no domingo, o último dia da greve.

“Até à data o que obtivemos foi silêncio total. Atendendo a que os trabalhadores merecem silêncio por parte dos responsáveis e dirigentes, vão encetar novas formas de luta”, concluiu.

De acordo com o relatório de atividades de 2017 da DGPC, no ano passado, o Mosteiro dos Jerónimos recebeu mais de um milhão de visitantes (1.080.902), enquanto o Museu Nacional de Arqueologia – que funciona numa das alas deste mosteiro – contou com 167.634 entradas.

Em 2017, a Torre de Belém teve 575.875 visitantes.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir