Mundo

Ex-embaixadora francesa Zurabishvili considerada vencedora na 2.ª volta das presidenciais na Geórgia

A ex-embaixadora francesa Salome Zurabishvili, apoiada pelo partido no poder Sonho Georgiano, estava em vantagem na segunda volta das presidenciais na Geórgia de acordo com as sondagens à saída das urnas.

Um estudo do instituto norte-americano Edison Research concedia a Salomé Zurabishvili 55 por cento das intenções de voto contra 45 por cento do seu opositor, o candidato do Movimento Nacional Unido (ENM), Grigol Vachadze.

As eleições de hoje são o último escrutínio presidencial por sufrágio direto nesta antiga república soviética do Cáucaso, antes da passagem a um regime parlamentar. Mesmo com o cargo de Presidente com funções essencialmente simbólicas após as alterações constitucionais, o voto é um teste para o partido no poder.

A eleição prefigura de facto a confrontação que se aguarda para as legislativas de 2020 entre o Sonho Georgiano-Geórgia Democrática (Ko-DS), que assumiu o poder em 2012, e o ENM, fundado pelo ex-Presidente Mikheil Saakashvili.

Na primeira volta em 28 de outubro, Salome Zurabishvili, proveniente de uma família de imigrantes georgianos que chegou a França da década de 1920, não garantiu mais de 50 por cento dos votos, no que foi entendido como um desaire do Ko-DS, fundado pelo milionário Bidzina Ivanichvili.

Antiga diplomata francesa e embaixadora em Tbilissi entre 2003 e 2004, Zurabishvili, 66 anos, obteve na primeira volta 38,64 por cento, com o opositor a garantir uma votação muito próxima (37,73 por cento).

No escrutínio de hoje, a taxa de participação era de 19,6 por cento ao meio-dia, segundo a comissão eleitoral central.

Sinal das tensões em torno do escrutínio, a oposição acusou o Governo de intimidar os eleitores e afirmou que os militantes do Sonho Georgiano (Ko-DS) agrediram membros do partido da oposição.

Três organizações não-governamentais georgianas, incluindo o ramo local da Transparency International, afirmaram na semana passada ter provas que o Governo imprimiu bilhetes de identidade falsificados para manipular a segunda volta das eleições em favor de Zurabishvili.

Por sua vez, Zurabishvili afirmou que ela e os seus filhos receberam ameaças de morte.

Apesar de uma campanha eleitoral muito agressiva e assinalada pela suspeição, os dois candidatos coincidem em vários pontos, designadamente numa aproximação à União Europeia e à NATO.

A vitória de Grigol Vachadze poderia ser mais incómoda para a vizinha Rússia, que apoia politicamente e mantém bases militares na Ossétia do Sul e Abkházia, as duas repúblicas secessionistas da Geórgia.

“O Sonho Georgiano adota uma posição mais moderada nas suas relações com Moscovo, quando o ENM adota uma posição mais critica” face a Vladimir Putin, considerou o analista Gia Nodia, citado pela agência noticiosa AFP.

Diplomata de carreira e ministro dos Negócios Estrangeiros de Saakashvili de 2008 a 2012, Vachadze criticou o “regime oligárquico” instalado pelo antigo primeiro-ministro Bidzina Ivanichvili, líder de facto do Ko-DS, quando o Governo falhou no anunciado combate à pobreza.

Bidzina Ivanichvili, considerado o homem mais rico do país, retirou-se oficialmente da vida política em 2013 após um ano como chefe do governo, mas continua a ser considerado o verdadeiro dirigente do país.

Mais partilhadas da semana

Subir