Desporto

Ambiente tranquilo e de convívio entre ‘leões’ e ‘dragões’ no Jamor

O ambiente em torno da final de hoje da Taça de Portugal em futebol, no Estádio Nacional, fica marcado por um convívio saudável, animado e sem registo de grandes incidentes entre adeptos do FC Porto e Sporting.

Como manda a tradição, a mata do Jamor voltou a decorar-se com tendas, mantas no chão, carrinhas com a mala aberta, muita cerveja na mão e grelhadores sem fim pelo terreno, onde as bifanas e entremeadas na grelha davam o perfume caraterístico deste jogo singular no calendário futebolístico em Portugal. E no Jamor voltaram a caber portugueses de diferentes latitudes: de Lisboa ao Porto, passando por Alcains ou Vale da Amoreira.

“Pertenço a uma aldeia chamada Amarelo, no concelho de Vila Velha de Ródão. Como adepto do FC Porto, sempre que há esta final tento vir vê-la. Venho pela festa da Taça. Há 16 vitórias para cada lado, hoje pode ficar 16,5 para cada”, afirma, bem-disposto, Virgílio Martins, com a camisola azul e branca ao peito e uma peruca azul a complementar os cabelos brancos, acrescentando: “Aqui é a festa dos adeptos. No final, o resultado nem é o que mais interessa”.

Com fair-play e alguma desconfiança à mistura, este adepto portista lembra que “estes jogos são complicados” e que o final de época da equipa de Sérgio Conceição o deixou “receoso” e com “reticências”. No entanto, assegura que uma eventual conquista da Taça “não vai salvar a época” do FC Porto.

Com as cores verde e branca na camisola, Vítor Faria veio de mais perto, mais precisamente de Vale da Amoreira, para viver novamente a atmosfera única da Taça de Portugal. A presença do Sporting é para este adepto ‘um bónus’, mas reitera a confiança na equipa orientada por Marcel Keizer, lembrando já o triunfo na Taça da Liga.

“Já estive em muitas finais do Jamor, não só do Sporting, por esta atmosfera. É um dia único no país e no futebol português. É a festa, o Sporting vem por acréscimo. No último ano e meio, esta é a quarta final que o Sporting vai jogar. Ganhámos duas, perdemos em circunstâncias anormais a da época passada aqui, agora é para ganhar, temos equipa para ganhar ao FC Porto”, frisa, enquanto repousa o copo de cerveja na mão.

Sublinhando o “dia magnífico” que se vive em Oeiras, o adepto ‘leonino’ assegura que “não há contas a ajustar” com o passado e não tem preferências por quem faça os golos do Sporting nesta final: “Importa é fazermos mais um golo que o Porto, nem que seja 9-8, está ótimo”.

Símbolo perfeito do fair-play que impera esta tarde no Jamor, Ana Gonçalves e Carlos Soares são um casal que se ‘divorcia’ na preferência clubística: ela, de verde e branco, sofre pelo Sporting, ele, respeitando o azul e branco, não resiste ao FC Porto.

Carlos Soares garante que “não há chatices” em casa, mas a companheira avisa que isso “depende de quem ganhar”. Por entre os sorrisos de otimismo para a final, a adepta do Sporting vinca que a equipa “vai ganhar”, já o torcedor do FC Porto espera “uma vingançazinha” da derrota desta época na final da Taça da Liga. De acordo, só mesmo no prognóstico final: 2-1… para o respetivo clube do coração.

E porque é o coração que mais sofre no futebol, um grupo de trabalhadores de um grupo privado de saúde juntou-se no Jamor, com as camisolas divididas ao meio entre Sporting e FC Porto, depois de garantir que a ‘máquina está afinada’ para as emoções de mais um clássico com um título em disputa.

“Sendo o mês do coração e na lógica de a empresa de viver um mês saudável, começámos todos por fazer um check-up cardíaco para estarmos todos aptos para aqui estar”, refere Nuno España, que se confessa um “sofredor nato” pelo Sporting, complementando: “É preciso viver o desporto com serenidade e respeito. Acho que temos muito a aprender com o desporto, e acho que, havendo isso, vai correr tudo bem”.

Pelo mesmo diapasão, Isabel Cardoso, adepta do FC Porto, diz que “não existe rivalidade”, apenas a “camisola partilhada”, mas assume que se “sofre sempre um bocadinho”. Para a aficionada portista, a Taça é mesmo a última oportunidade para uma alegria esta temporada: “Já que não ganhou o campeonato, pelo menos que ganhe a Taça de Portugal”.

A final da Taça de Portugal entre FC Porto e Sporting está marcada para esta tarde, às 17:15, no Estádio Nacional, em Oeiras, e conta com a arbitragem de Jorge Sousa.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir