Mundo

Acusações de tráfico de droga visam “comprometer eleições” na Guiné-Bissau – Domingos Simões Pereira

O candidato às presidenciais na Guiné-Bissau Domingos Simões Pereira recusou hoje qualquer envolvimento no tráfico de droga, considerando que as acusações de que é alvo pelos adversários visam apenas “perturbar o processo político e comprometer as eleições”.

“Eu não pertenço a esse mundo, é-me completamente estranho”, disse o candidato apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, no poder), em entrevista à agência Lusa em Lisboa, referindo que colabora com as instituições que lidam com esse problema.

Considerando que “o assunto da droga na Guiné-Bissau neste momento é um assunto de justiça”, o candidato defendeu que é preciso “fazer menos barulho e permitir que a Polícia Judiciária faça o seu trabalho e apure os factos”.

“Todo esse barulho que o mundo, e particularmente os guineenses, ouvem em relação ao assunto da droga, é uma tentativa de perturbar o trabalho que está a ser feito, um trabalho excelente da nossa Polícia Judiciária, trabalho excelente do atual Governo, para criar um quadro que possa perturbar o processo político e comprometer as próximas eleições”, disse, defendendo que “não há outra razão”.

Em entrevista à agência Lusa em 05 de outubro, Umaro Sissoco Embaló, candidato apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem G15), formado por dissidentes do PAIGC, apontou este partido como beneficiário do tráfico de droga pelos meios que ostenta nas campanhas eleitorais.

Segundo Domingos Simões Pereira, o único objetivo destas acusações “é travar aquilo que está a acontecer na Guiné”, porque o país “está a mudar”.

O candidato elogiou “a determinação” com que “alguns juízes”, a Polícia Judiciária e várias instâncias judiciais têm trabalhado no combate ao tráfico de droga, considerando que “têm mostrado uma coragem extraordinária”.

As autoridades guineenses apreenderam quase 800 quilos de cocaína um dia antes das legislativas de 10 de março último e em 02 de setembro fizeram a maior apreensão da história da Guiné-Bissau – cerca de duas toneladas.

Domingos Simões Pereira devolveu as acusações, repetindo as suspeitas de envolvimento com alegados terroristas por parte de Sissoco Embaló e acusou o atual Presidente, José Mário Vaz, que se recandidata ao cargo como independente, de fazer entrar no país dinheiro de origem duvidosa.

O candidato apoiado pelo PAIGC exemplificou com uma viagem que o Presidente terá feito ao Sudão, então liderado por Omar Al-Bashir, tendo chegado a Bissau com um “avião carregado de dinheiro”.

Referindo que o Presidente foi na altura questionado se não estava preocupado com o facto de estar a chegar do Sudão e “de se estar a falar de dinheiro em relação a alguém que está a ser investigado pela comunidade internacional”, Simões Pereira disse que a resposta foi: “quando se trata de conseguir o dinheiro para o meu país, eu não vejo a procedência dos fundos”.

Questionado sobre se na recusa de José Mário Vaz em aceitar por duas vezes o seu nome para primeiro-ministro, depois de o ter demitido em 2014, terá havido alguma influência do Senegal, Domingos Simões Pereira considerou que não.

No entanto, admitiu que as suas posições “nem sempre coincidem com as autoridades da subregião, e nomeadamente com o Senegal” e que “às vezes os interesses não são coincidentes”.

“É normal que tenhamos uma leitura completamente diferente, mas eu penso que o Senegal é um país democrático, um país com alguma consolidação democrática e, portanto, no essencial saberá sempre respeitar aquilo que é o princípio da não ingerência nos assuntos da Guiné-Bissau”, disse.

Além de Domingos Simões Pereira, entre os 19 candidatos às eleições presidenciais previstas para 24 de novembro próximo ainda a validar pelo Supremo Tribunal, Umaro Sissoco Embaló, José Mário Vaz e o ex-primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, ambos como independentes, e Nuno Nabian, da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), que é apoiado pelo Partido da Renovação Social (PRS).

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir