Bisturi

Prémios à moda do Porto

Autor: Gonçalo Norton Lages

“Somos os maiores!”, disparou Rui Moreira quando, no passado dia 10 de fevereiro, a grande cidade do Norte vibrou com mais um galardão que lhe foi atribuído. Fomos eleitos Melhor Destino Europeu 2017. É a terceira vez (2012, 2014 e 2017) que a Cidade Invicta recebe este prémio, com base numa votação online e promovido pelo website European Best Destination, sediado em Bruxelas, na Bélgica.

Cerca de 420 mil turistas (aquela malta que gosta de laurear a pevide) de 174 países votaram, e o Porto arrecadou mais de 138 mil votos (o triplo da cidade premiada em 2016 – Zadar, na Croácia). É um orgulho para esta cidade com mais de 200 mil habitantes saber que ganharia este prémio apenas com os votos internacionais que obteve, que ultrapassaram os 50%.

Rui Moreira puxou pelos tripeiros e motivou-os a serem embaixadores da cidade e a darem a cara numa campanha intitulada “Vote Porto”. A Câmara Municipal do Porto e a Associação de Turismo do Porto, juntamente com várias instituições, levaram bem alto o nome da cidade.

O resultado não surpreendeu, afinal de contas vem em seguimento de uma aposta que a cidade tem vindo a fazer no turismo, na última década. Além disso, desde setembro de 2014, com a aposta na marca “Porto.”, que “Oporto” ficou conhecido pelos estrangeiros simplesmente como “Porto”. A cidade, com o seu forte magnetismo, tem funcionado como íman turístico, e atingiu em 2016 quase 1,5 milhões de turistas e, no mesmo ano, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro ultrapassou a barreira dos 9 milhões de passageiros. Mas tudo isto é também fruto da colaboração dos parceiros da Frente Atlântica, uma plataforma institucional criada em 2013 e composta pelos municípios do Porto, Vila Nova de Gaia e Matosinhos, que assenta numa estratégia comum de políticas territoriais em diversas áreas, entre as quais, o turismo.

douro portoA Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto projetou-se uma vez mais, a si e a Portugal, para o mundo inteiro, revelando perante os poderes centrais ser um exemplo também ao nível do turismo. Mas se a capital do Norte se pode gabar de ser um exemplo no turismo em prol do país, o Turismo de Portugal não estará nas mesmas condições. Contrastando com o apoio que deu à derrotada candidatura de Lisboa há dois anos, esta entidade não apoiou devidamente a vitoriosa candidatura portuense neste ano, nem a congratulou em condições. Tal facto gerou revolta, principalmente através das redes sociais. Em três dias, mais de 4000 pessoas “incendiaram” a página do Turismo de Portugal no Facebook, atribuindo-lhe a classificação mínima, acompanhada por críticas à entidade, nomeadamente de esta servir apenas os interesses de parte do país, mais precisamente Lisboa. Os tripeiros sabem bem receber e oferecem champanhe fresco a quem apenas tem champanhe morno!

De facto, os portuenses são conhecidos como um povo sem “papas na língua”, lutador, orgulhoso, justo e com o coração em chama ardente, que espelha bem a imagem desta justificada revolta. O Porto nunca perdeu a sua identidade e alma, a sua energia, e isso, foi uma das razões que esteve na origem de mais esta conquista. O Porto ambiciona agora pelo “tetra”.

Mostrámos novamente que fazemos mais com menos! Vale a pena ser PORTOguês! Vale a pena ser portuense! Somos Porto! Somos… os maiores!


Vídeos em Destaque

Patrocinado

Newsletters PT Jornal

O que quer receber?

Mais partilhadas da semana

Subir