Bisturi

Prémios à moda do Porto

Autor: Gonçalo Norton Lages

“Somos os maiores!”, disparou Rui Moreira quando, no passado dia 10 de fevereiro, a grande cidade do Norte vibrou com mais um galardão que lhe foi atribuído. Fomos eleitos Melhor Destino Europeu 2017. É a terceira vez (2012, 2014 e 2017) que a Cidade Invicta recebe este prémio, com base numa votação online e promovido pelo website European Best Destination, sediado em Bruxelas, na Bélgica.

Cerca de 420 mil turistas (aquela malta que gosta de laurear a pevide) de 174 países votaram, e o Porto arrecadou mais de 138 mil votos (o triplo da cidade premiada em 2016 – Zadar, na Croácia). É um orgulho para esta cidade com mais de 200 mil habitantes saber que ganharia este prémio apenas com os votos internacionais que obteve, que ultrapassaram os 50%.

Rui Moreira puxou pelos tripeiros e motivou-os a serem embaixadores da cidade e a darem a cara numa campanha intitulada “Vote Porto”. A Câmara Municipal do Porto e a Associação de Turismo do Porto, juntamente com várias instituições, levaram bem alto o nome da cidade.

O resultado não surpreendeu, afinal de contas vem em seguimento de uma aposta que a cidade tem vindo a fazer no turismo, na última década. Além disso, desde setembro de 2014, com a aposta na marca “Porto.”, que “Oporto” ficou conhecido pelos estrangeiros simplesmente como “Porto”. A cidade, com o seu forte magnetismo, tem funcionado como íman turístico, e atingiu em 2016 quase 1,5 milhões de turistas e, no mesmo ano, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro ultrapassou a barreira dos 9 milhões de passageiros. Mas tudo isto é também fruto da colaboração dos parceiros da Frente Atlântica, uma plataforma institucional criada em 2013 e composta pelos municípios do Porto, Vila Nova de Gaia e Matosinhos, que assenta numa estratégia comum de políticas territoriais em diversas áreas, entre as quais, o turismo.

douro portoA Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto projetou-se uma vez mais, a si e a Portugal, para o mundo inteiro, revelando perante os poderes centrais ser um exemplo também ao nível do turismo. Mas se a capital do Norte se pode gabar de ser um exemplo no turismo em prol do país, o Turismo de Portugal não estará nas mesmas condições. Contrastando com o apoio que deu à derrotada candidatura de Lisboa há dois anos, esta entidade não apoiou devidamente a vitoriosa candidatura portuense neste ano, nem a congratulou em condições. Tal facto gerou revolta, principalmente através das redes sociais. Em três dias, mais de 4000 pessoas “incendiaram” a página do Turismo de Portugal no Facebook, atribuindo-lhe a classificação mínima, acompanhada por críticas à entidade, nomeadamente de esta servir apenas os interesses de parte do país, mais precisamente Lisboa. Os tripeiros sabem bem receber e oferecem champanhe fresco a quem apenas tem champanhe morno!

De facto, os portuenses são conhecidos como um povo sem “papas na língua”, lutador, orgulhoso, justo e com o coração em chama ardente, que espelha bem a imagem desta justificada revolta. O Porto nunca perdeu a sua identidade e alma, a sua energia, e isso, foi uma das razões que esteve na origem de mais esta conquista. O Porto ambiciona agora pelo “tetra”.

Mostrámos novamente que fazemos mais com menos! Vale a pena ser PORTOguês! Vale a pena ser portuense! Somos Porto! Somos… os maiores!


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir
error: