Local

Padre de Ribamar suspeito de vender bens doados a crianças africanas

Um padre de 79 anos, responsável pela paróquia de Ribamar, na Lourinhã, é arguido num caso de burla qualificada e fraude fiscal. Em causa, o alegado desvio de bens avaliados em 208 mil euros, doados a uma instituição de solidariedade que o pároco lidera. Eram roupas que tinham como destinatário famílias carenciadas em África.

Segundo avança o Correio da Manhã, um padre de Ribamar, no concelho da Lourinhã, está envolvido num esquema de alegada burla.

O esquema foi desmontado pela GNR e consistia na venda ilegal de roupas de marca, doadas à Fundação João XXIII/Casa do Oeste, para que fossem entregues a famílias africanas carenciadas.

No entanto, esses bens não foram entregues ao destinatário e estariam a ser vendidos em Mafra e Torres Vedras. De acordo com aquele diário, a venda era processada num armazém, de forma ilegal.

A roupa, doada pela Salsa, deveria seguir para a Guiné, mas estava a ser vendida ilegalmente num armazém.

Joaquim Batalha, o padre responsável pela fundação, foi constituído arguido e incorre nos crimes de fraude fiscal e burla qualificada.

O pároco nega qualquer responsabilidade, mas confirma que a GNR fez buscas na sede e no armazém da fundação.

“Garanto que aqui não encontraram nada. Se alguma coisa foi apreendida foi na loja ilegal dessa voluntária, que eu desconheço e que nada tem que ver connosco. É um circuito paralelo que desconhecemos”, disse, em declarações ao Correio da Manhã


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir