Mundo

Vídeo: Menina de 10 anos enviada para ataque suicida está a mentir, dizem os talibãs

menina suicida Os talibãs no Afeganistão garantem que não utilizam raparigas para atentados suicidas. “Nunca fazemos isso”, assegura o porta-voz, em resposta às acusações de Spozhmai, a menina de 10 anos que terá recusado fazer-se explodir num posto fronteiriço.

Os talibãs negam ter enviado uma menina para cometer um ataque suicida, após as autoridades do Afeganistão terem detido Spozhmai, de 10 anos. A menor alegou que teria sido inicialmente convencida pelo irmão a fazer-se explodir junto a um posto fronteiriço, tendo depois recusado, mas os talibãs garantem que “nunca” recorrem a “raparigas”.

“Nunca fazemos isto, especialmente com raparigas”, frisou o porta-voz dos talibãs no Afeganistão, citado por várias agências internacionais. Qari Yousef Ahamdi acusa o Governo de estar a promover uma história de propaganda, tanto mais que foi o ministro do Interior a anunciar a detenção da menor.

Uma investigadora da organização Human Rights Watch referiu ao jornal The Guardian que os talibãs “recorrem ocasionalmente” a crianças para atentados suicidas e reconheceu serem “raros” os casos envolvendo meninas.

Spozhmai, de 10 anos, foi detida sob supeita de estar a preparar um ataque suicida à bomba num posto fronteiriço na província de Helmand. Numa televisão afegã, a menina afirmou ter sido o irmão Zahir, um chefe local dos talibãs, a pressioná-la para cometer o atentado.

Já depois do irmão lhe ter vestido o colete armadilhado com bombas, Spozhmai receou pela própia vida e mudou de ideias. “Eu disse que não iria e então ele retirou-me o colete”, adiantou à menina, na mesma entrevista televisiva: “ele tentou convencer-me que eles [os polícias] iriam morrer e eu ficaria viva”.

Para além da criança, as autoridades anunciaram também a detenção do pai de Spozhmai, Abdul Ghfar. A polícia continua a procurar Zahir.

https://www.youtube.com/watch?v=1jb4QzWM6R4

Mais partilhadas da semana

Subir