Motores

“Uma corrida incrível” para Félix da Costa no México

António Félix da Costa não cabia em si de contente depois da segunda posição alcançada na quarta corrida do Campeonato FIA de Fórmula E, que lhe permitiu relançar a sua candidatura ao título.

Numa “corrida de loucos”, segundo as suas próprias palavras, o piloto português da BMWi Andretti transformou aquilo que era um quinto lugar à partida no seu segundo melhor resultado da época, depois do triunfo na prova inaugural.

Na Cidade do México Félix da Costa teve uma atuação irrepreensível, pois se no Autódromo Hermanos Rodriguez era quase impossível ultrapassar, acabou por fazer valer-se de uma boa estratégia para no final chegar ao pódio.

Embora na partida tenha perdido um lugar, o piloto de Cascais recuperou-o logo de seguida, iniciando um duelo com Sebastien Buemi que duraria praticamente toda a corrida, depois da interrupção que se seguiu ao acidente que envolveu Nelson Piquet Jr, o Campeão em título, Jean-Eric Vergne, e também o seu companheiro de equipa, Alexander Sims.

O suíço da Nissan foi um ‘osso duro de roer’, nunca permitindo a António Félix da Costa uma clara oportunidade para o passar, mas no final da prova o português fez-se valer do ‘FanBoost’ e de também ter mais energia para deixar para trás, e de uma assentada, Buemi e o seu companheiro de equipa, Oliver Rowland.

Uma manobra mais ousada causou uma penalização a Pascal Wherlein e fez o alemão perder o segundo posto conquistado sobre a meta, e Félix da Costa e Edoardo Mortara foram os grandes beneficiados, subindo assim ao pódio, liderado pelo vencedor da corrida Lucas Di Grassi.

“Que corrida de loucos, começando pela qualificação, onde consegui ser o único piloto do grupo 1 a passar à ‘Super Pole’. O que me deu a confiança de que tínhamos andamento para lutar pela vitória”, começou por explicar o piloto português.

António Félix da Costa salienta a importância da estratégia durante a prova: “Na corrida sabia que a gestão da energia seria crítica nas voltas finais, portanto deixei-me estar perto do grupo da frente durante toda a corria e principalmente na última volta foi de loucos, com muitos pilotos a ficarem sem bateria”.

“Foi uma corrida incrível, onde fomos muito eficientes na gestão de energia e acabamos por ser premiados por isso. Em termos de campeonato foi uma boa operação. Agora é continuar a trabalhar para nos mantermos competitivos. O Campeonato é longo e se queremos lutar por ele temos de nos manter focados e sobretudo pontuar sempre, pois a regularidade vai decidir o título”, acrescenta o piloto de Cascais, que sai do México na segunda posição do campeonato, atrás de Jerôme D’Ambrosio, que foi quarto na corrida deste sábado.

Mais partilhadas da semana

Subir