Economia

Chuva de março melhorou produção de cereais

A precipitação verificada em março potenciou um aumento de produtividade de 10 por cento no trigo e 15 por cento no tricale e na aveia, segundo o boletim mensal da agricultura e pescas, divulgado hoje pelo INE.

“O mês de março caracterizou-se, em termos meteorológicos, como extremamente chuvoso e muito frio. De facto, a precipitação média […] foi cerca de quatro vezes o valor mensal normal, tendo sido o segundo março mais chuvoso desde 1931”, lê-se no documento.

Conforme as previsões do instituto, o trigo mole deverá passar de uma produção de 2.051 (valor provisório) quilos por hectare (kg/ha) em 2017 para 2.250 kg/ha.

Por sua vez, o trigo duro poderá passar de 2.261 kg/ha, registados no ano anterior, para 2.480.

Já no tricale, a produção deverá passar de 1.482 kg/ha para 1.700 kg/ha.

No entanto, a produção de centeio deverá manter-se inalterada, face ao ano anterior, em 855 kg/ha.

No caso da aveia, os valores provisórios apontam para 1.425 kg/ha no período de referência, em comparação com os 1.241 kg/ha em 2017.

Segundo avança o INE, em março, registou-se uma variação positiva no índice de preços de produtos agrícolas no produtor de ovos (+21,9 por cento), ovinos e caprinos (+21 por cento), plantas e flores (+8,8 por cento), bovinos (+3,5 por cento) e aves de capoeira (+2 por cento).

Por outro lado, assistiu-se a um recuo no índice de preços da batata (-50,6 por cento), nos frutos (-3,1 por cento), no azeite a granel (-2,3 por cento), nos suínos (-0,3 por cento) e nos hortícolas frescos (-0,1 por cento).

Relativamente ao gado, o instituto revela que em fevereiro de 2018 foram abatidas e aprovadas para consumo 35.362 toneladas de carne, o que se traduz num crescimento de 2,3 por cento face ao mesmo período de 2017 e numa subida de 4,5 por cento em comparação com janeiro de 2018.

Em fevereiro, “registou-se um maior volume de abate de bovinos (+9,0 por cento), suínos (+0,9 por cento), ovinos (+2,9 por cento) e caprinos (+20,6 por cento), ao contrário dos equídeos cujo abate se reduziu em 43,6 por cento”, lê-se no documento.

No período em causa, o peso limpo total de aves e coelhos abatidos e aprovados para consumo foi de 25.867 toneladas, menos 0,2 por cento do que no período homólogo (e mais 7 por cento do que em janeiro de 2018), devido a uma redução do volume de perus (-20,1 por cento) e codornizes (-26,9 por cento), que contrasta com um maior volume de galináceos (+2,3 por cento), patos (+11,2 por cento) e coelhos (+11,6 por cento).

“A quantidade de frango produzida no mês de fevereiro de 2018 foi de 25.361 toneladas, o que representou um decréscimo de 5,4 por cento (+6,3 por cento em janeiro), acompanhado de uma redução do número de animais abatidos (-4,6 por cento). A produção de ovos de galinha para consumo aumentou 3,9 por cento (+11,3 por cento em janeiro) com 8.311 toneladas produzidas”, apontou o INE.

A recolha de leite de vaca, em fevereiro, fixou-se em 149,4 mil toneladas, mais 3,6 por cento do que no mesmo mês do ano anterior.

A produção total de lacticínios foi superior à do mês homólogo em 3,9 por cento, impulsionada por um maior volume dos principais produtos lácteos com exceção do leite para consumo. Os aumentos registaram-se na produção de nata para consumo (38,9 por cento), nos leites acidificados (21,4 por cento), na manteiga (3 por cento) e no queijo de vaca (16 por cento).

Mais partilhadas da semana

Subir