Desporto

Português em Gales passa de sem abrigo a detentor de recordes mundiais

Com um passado preenchido de problemas de saúde mental e um período como sem-abrigo em Cardiff, no País de Gales, Celso Fonseca espera ter conseguido percorrer aquela que será a sua rampa de lançamento para uma nova vida ao bater três recordes mundiais de ciclismo.

Aos 36 anos, Celso Fonseca tem recebido vários pedidos de entrevistas, convites e ofertas de patrocínio para continuar a praticar ciclismo, mas o homem, natural de Mem Martins, ainda não interiorizou o que poderá estar para acontecer.

“Estou chocado, já ouvi falar em milhões. Estou muito nervoso, é muito depressa para quem estava a dormir na rua. Nunca pensei que isto fosse acontecer”, disse, em declarações à agência Lusa.

Há três semanas, Celso finalizou o objetivo de pedalar durante 24 horas consecutivas, na pista exterior do Centro Maindy de Cardiff, entre 18 e 19 de novembro.

Com o objetivo de bater o recorde de Marko Baloh, que percorreu 890 quilómetros em 24 horas, em 2008 – apesar de Christoph Stasser ter reivindicado o recorde mundial em 2015, com 896 quilómetros – Celso Fonseca inspirou-se nesse desafio ao ver um vídeo de corridas automóveis 24 horas Le Mans.

“Foi quando estava a dormir na rua. Não sei o porquê, o desejo esteve sempre lá dentro, mas nunca tinha existido nada para dar o primeiro impulso. Quando vi o vídeo, comecei a pensar: será que eu consigo pedalar durante 24 horas? Foi assim que isto começou”, confessa.

O treino árduo começou em janeiro e contabilizou mais de 46 mil quilómetros em cima da bicicleta, começando por pedalar durante nove horas seguidas tendo depois prolongado o esforço até às 50 horas.

Apesar do atraso nos apoios por parte de lojas de biciletas britânicas e do curto apoio financeiro, Celso Fonseca aventurou-se na pista exterior de Centro Maindy.

Sem que nada o fizesse prever, o português começou a receber sinais de que estaria a bater recordes. Dos 100, 200, 300 e 500 quilómetros.

Mundialmente, Celso deixou a sua marca nas distâncias de 300 quilómetros, em 9:05:41 horas, 300 milhas – equivalente a 482,8 quilómetros – em 15:31:59 horas, e 500 quilómetros, em 16:08:33 horas.

As temperatuas baixas, acompanhadas pelas dificuldades na alimentação levaram o português a completar apenas 708 quilómetros, mas já com recordes mundiais no bolso.

Agora, o objetivo é fazer carreira no ultraciclismo e promover campanhas de sensibilização em torno da saúde mental, um problema que afeta Celso desde a infância.

As dificuldades em lidar com as companhias de seguros em Portugal, na sequência de um acidente de ciclismo, levaram-no a viajar até Cardiff, há 11 anos.

Após um período de três meses a viver na rua, foi alojado numa habitação social, esperando receber alta médica para voltar a trabalhar.

“Mas tenho problemas psicológicos porque fui abusado pelo meu quando era criança e isso afetou-me muito. Tornei-me sem abrigo porque a minha cabeça ‘explodiu’. Tentei suicidar-me, mas agora estou a ser seguido por um psiquiatra”, admite.

O futuro parece abrilhantar-se a cada volta na pista exterior do Centro Maindy, o que deixa Celso motivado e esperançoso.

“Eu quero fazer a diferença. Pela primeira vez na minha vida percebo que não diz nada de errado”, admite, prosseguindo. “Fiz isto de borla, mas se me paragem até voo!”, exclama.

 

 

Mais partilhadas da semana

Subir