Ciência

Gato assina estudo aprovado por cientistas… humanos

gato-autorUm estudo assinado por Jack H. Hetherington e F. D. C. Willard foi publicado na revista Physical Review Letters, em 1975. Só agora é que foi divulgado que um dos autores é o gato Chester Willard.

É a história do momento nos meios científicos, onde o reconhecimento dos pares é fundamental para a publicação de artigos nas mais prestigiadas revistas da especialidade, como acontece com a revista Physical Review Letters no domínio da física.

O que só agora foi tornado público é que um artigo, de 1975, foi aprovado pelos especialistas de então e tem sido citado por inumeráveis investigadores tendo como um dos autores… um gato siamês.

‘Two-, Three-, and Four-Atom Exchange Effects in bcc 3He’, um artigo sobre um isótopo, foi escrito por Jack H. Hetherington e F. D. C. Willard, da Universidade de Michigan (EUA).

Em 1985, numa entrevista para um livro que tem passado anónimo, Jack H. Hetherington confessou que era o único autor do livro, pois F. D. C. Willard era… um gato.

Porém, só agora, com a disponibilização pública do estudo pela American Physical Society, é que o caso se tornou verdadeiramente conhecido.

Jack H. Hetherington, que à data era professor na citada universidade, escreveu o artigo com as ‘regras’ linguísticas do tempo, recorrendo ao pronome ‘nós’. Só que um colega advertiu o autor de que a revista nunca iria publicar o artigo, pois a Physical Review Letters tinha por regra só publicar artigos que referissem o pronome ‘nós’ quando havia mais do que um autor.

Ao invés de reformular o texto, trocando o ‘nós’ pelo ‘eu’ (o que iria obrigar a um penoso processo de correção das formas verbais), Jack H. Hetherington optou por escrever o artigo com o gato Chester, ou melhor, Felis Domesticus (felino doméstico) Chester Willard (Willard era o nome do pai de Chester).

“Não me arrependo”, assumiu o verdadeiro autor, na tal entrevista quase desconhecida de 1985: “As poucas pessoas que se aperceberam divertiram-se com o conceito e só mesmo os editores, por alguma razão, é que não acharam grande piada à história”.

Mais partilhadas da semana

Subir