Economia

Wall Street fecha em baixa devido a preocupação com negociações entre EUA e China

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em baixa, devido à persistência de preocupações entre os investidores com as negociações comerciais entre chineses e norte-americanos.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice eletivo Dow Jones Industrial Average recuou 0,20 por cento, para os 27.766,29 pontos.

Da mesma forma, o tecnológico Nasdaq cedeu 0,24 por cento, para as 8.506,21 unidades, e o alargado S&P500 desvalorizou 0,16 por cento, para as 3.103,54.

Para Peter Cardillo, da Spartan Capital, os investidores continuam a observar com atenção “a retórica quotidiana em torno da guerra comercial” entre Washington e Pequim.

Os sinais positivos enviados hoje pela China, que se declarou pronta a fazer “todo o possível” para chegar a um acordo preliminar com os EUA, não tranquilizaram os investidores.

Estas afirmações sucederam à promessa feita pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, de uma nova subida das taxas alfandegárias sobre os produtos chineses, se não for alcançado um acordo preliminar com Pequim, e à aprovação pelo Congresso dos EUA de uma resolução de apoio “aos direitos humanos e á democracia” em Hong Kong.

“A descida de boje não foi muito importante, o que me leva a dizer que foi antes um recuo técnico”, considerou Cardillo.

Os investidores procuram saber se o Governo de Trump vai aplicar, a partir de 15 de dezembro, taxas alfandegárias suplementares sobre cerca de 160 mil milhões de dólares (145 mil milhões de euros) de bens chineses ainda não sobretaxados.

Por outo lado, o setor da energia progrediu de forma clara, alicerçado na nítida subida das cotações nas duas últimas sessões.

Na frente dos indicadores, o crescimento da atividade industrial da região de Filadélfia, no nordeste dos EUA, recuperou algum vigor em novembro, conforme as expectativas dos analistas, segundo o índice divulgado hoje pela antena local da Reserva Federal.

Este indicador, que mede as condições gerais da atividade, subiu, depois de dois meses consecutivos em baixa.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir