EUA

Foi violado por um padre e luta por justiça, 30 anos depois (com vídeo)

Violado por um padre em 1984, quando tinha 13 anos, Mark Rozzi decidiu mudar de carreira e entrar para a política. Fê-lo por uma única razão: queria justiça. Abriu o coração, já como eleito, num depoimento na Câmara dos Deputados da Pensilvânia. Veja o vídeo.

Aos 13 anos, Mark Rozzi tinha feito uma promessa a si próprio, em 1984: não contaria a ninguém que um padre da sua escola paroquial, em Berks County, na Pensilvânia, o tinha atraído, durante semanas, até que o violou, numa casa de banho da reitoria.

Ele guardou segredo, mas sentia-se pressionado pela vergonha e por um estranho sentimento de culpa que, confessa, o acompanhou ao longo de tantos anos, assombrando os seus sonhos e alimentando a depressão.

Decide seguir uma carreira política, à procura de justiça e para defender as vítimas de abusos sexuais.

Até que, em março de 2009, soube de que um amigo de infância se suicidara, por ter sido vítima de abusos, praticados pelo mesmo padre. Rozzi ficou inconsolável e viu agravado aquele sentimento de culpa.

Rozzi achou que o silêncio poderia ser a sua própria pena de morte. E decide quebrar aquela promessa, em nome das vítimas do padre Edward Graff e em memória daquele amigo especial que partiu, vítima dos efeitos de um pedófilo.

“Lutei todos os dias da minha vida. Quero justiça. Quero justiça para todos os meus amigos que, tal como eu, foram abusados”.

Acaba de fazer um depoimento na Câmara dos Deputados da Pensilvânia, como membro eleito. Trata-se de um apelo emocional aos seus colegas para apoiarem um projeto-lei que acabe com o estatuto que protege os predadores, em casos de acusações criminais por abuso de crianças.

Mark Rossi fala abertamente e de forma detalhada sobre a violação de que foi vítima. Fala do “monstro” que levou ao suicídio de um amigo de infância. Perante uma câmara em silêncio, aborda a pedofilia, fala como vítima de abusos praticados por um padre.

Um depoimento emocionado, emocionante, com revolta, onde até no silêncio se encontram emoções fortes.

Veja o vídeo.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir