Nas Notícias

Vídeo: RTP termina Jornal da Tarde com… ‘Pronúncia do Norte’ e recado à TVI

Um dia depois da reportagem da TVI, que associou a maior propagação da covid-19 na região norte a uma “população menos educada, mais pobre, envelhecida e concentrada em lares”, a RTP reage, lembrando que “o vírus não distingue a educação, a cultura, os pontos cardeais e nem sequer a pronúncia”. Veja o vídeo.

“A realidade dos números não engana: hoje, a região norte ultrapassou a barreira dos 10 mil infetados, mais de 60 por cento do total do País. Sendo que há muito se sabe que o vírus não distingue a educação, a cultura, os pontos cardeais e nem sequer a pronúncia”.

Eis o modo como o pivô Hélder Silva encerrou o Jornal da Tarde da RTP, nesta terça-feira, num texto lido com a música ‘Pronúncia do Norte’, de Rui Reininho e Isabel Silvestre.

Um momento de televisão que não poderia passar despercebido, depois da polémica suscitada pela reportagem da TVI, na noite desta segunda-feira, onde se associa, através de um oráculo que a estação assume como “frase infeliz no ecrã”.

A estação televisiva associa, nesse oráculo, que o maior número de casos da covid-19 no norte do País se deve a uma “população menos educada, mais pobre, envelhecida e concentrada em lares”.

“Essa frase foi por muitos interpretada como uma ofensa às gentes do Norte – o que não era evidentemente o nosso propósito”, aponta a estação televisiva.

Antes, o presidente da Câmara do Porto escrevera um post, no Facebook, a criticar a estação de Queluz, falando em “portofobia”.

“Tudo isto tem, é claro, um nome. Chama-se ‘portofobia’. Um sentimento arreigado em pessoas que acham que ‘este país’ seria melhor sem ‘o Norte’. Pois bem, nós somos portugueses. Nem temos de invocar que daqui houve nome Portugal. Basta dizer que quem não está bem que se mude, e nós estamos bem em Portugal”, concluiu, num longo post publicado nas redes sociais.

Hoje, o telejornal da estação pública, produzido no Porto, terminou de modo surpreendente, em mais um capítulo desta polémica.

Poderá ver esse momento neste vídeo, a partir dos 30 minutos e 40 segundos.

0Shares

Em destaque

Subir