Nacional

Vídeo: Roberto Leal luta contra um cancro e está cego de um olho

Afastado das luzes da ribalta nos últimos tempos, Roberto Leal quebrou o silêncio e revelou que luta contra um cancro. O cantor contou também que perdeu a visão do olho direito, devido a cataratas. Roberto Leal diz ainda que não tem medo de morrer, mas está otimista e espera continuar nos palcos da vida.

Aos 67 anos, Roberto Leal quebrou o silêncio, abriu o coração e confessou que tem travado uma luta contra o cancro, há dois anos.

Tudo começou com “dores nas costas” e na perna direita. Aos poucos, e como os tratamentos e massagens que ia fazendo não resultavam, acabou por ser submetido a uma bateria de exames que lhe diagnosticaram um cancro.

“Tinha alturas em que não sentia nada do joelho para baixo e a dor foi subindo até uma altura em que eu não conseguia ficar em pé”, contou o músico, em declarações ao programa ‘Domingo Show’, da TV Record.

O combate ao “melanoma” que lhe foi diagnosticado passou a ser o centro do seu mundo, o foco da sua luta, uma luta em várias frentes, visto que além do cancro apareceram-lhe cataratas que lhe afetaram a visão.

“O máximo que pode acontecer é eu ficar com 30 a 40 por cento de visão”, explicou Roberto Leal que já foi operado três vezes e agora realiza sessões de radioterapia.

A imunoterapia, que ajuda a ativar o sistema imunitário, decorre em ciclos de 21 dias e está “a evoluir de uma maneira muito positiva”.

Questionado na reportagem se tem medo de morrer, o transmontano admitiu que “não” e justificou-se.

“Aceito [a morte] porque acredito no que for decidido que é o melhor para mim. Se eu realmente cheguei a esta situação, se este caminho é o único caminho possível, não tenho escolha, mas voltar para atrás, não”, salientou o cantor, certo de que “há uma luz no fim do túnel”.

“Há uma luz no fim do túnel”

“Eu sei e tenho certeza que o amor vencerá toda a dor”, vaticinou Roberto Leal, que há anos se radicou no Brasil mas cuja ligação a Portugal nunca se quebrou, sendo presença frequente ao longo dos anos nas festas e romarias em Portugal.

Nos últimos dois anos, afastou-se, explicando agora as razões.

Veja a reportagem nos vídeos:

Mais partilhadas da semana

Subir