Mundo

Vídeo: Regina Duarte, secretária da Cultura do Brasil, numa entrevista inacreditável

Criticada quase unanimemente pelo setor cultural brasileiro, Regina Duarte protagonizou uma entrevista inacreditável à CNN Brasil, que terminou mais cedo por causa do “chilique” da governante.

Questionada sobre o silêncio da tutela após o Brasil perder grandes vultos da cultura nos últimos dias (como Rubem Fonseca, Luiz Alfredo Garcia-Roza, Moraes Moreira, Flávio Migliaccio e Aldir Blanc), muitos deles devido à covid-19, a governante respondeu que a tutela não podia “virar um obituário”.

Antes, Regina Duarte já tinha chocado boa parte do público ao relativizar os assassinatos e a tortura da ditadura brasileira. Numa pergunta sobre o apoio do Presidente Jair Bolsonaro a algumas das figuras da ditadura, cantou a marcha ‘Pra frente, Brasil’, um hino ao regime promovido durante o Mundial de futebol de 1970.

“Na Humanidade não se para de morrer. Quando você fala da vida, do outro lado tem morte. Sempre houve tortura… Estaline, quantas mortes? Hitler, quantas mortes? Desculpe, mas não quero arrastar um cemitério de mortes nas minhas costas, não desejo isso para ninguém. Sou leve, sabe? Estou viva”, continuou a secretária da Cultura.

“Não vive quem fica arrastando cordéis de caixões. A covid está a trazer uma morbidez insuportável”, acrescentou ainda a governante.

A entrevista foi terminada antecipadamente porque Regina Duarte teve “um chilique” quando lhe apresentaram um vídeo de Maitê Proença, atriz que exigiu um apoio afetivo aos artistas devido à pandemia de covid-19.

“Quem é você que está desenterrando uma fala da Maitê, quem é você? Acho de baixo nível, eu tive um chilique, vocês estão a desenterrar mortos, trazem um cemitério nas costas, sejam leves”, reagiu.

Assim que o jornalista Daniel Adjuto explicou que iria terminar a entrevista “por respeito à saúde” da secretária da Cultura, Regina Duarte ainda exclamou que “isso [o vídeo de Maitê Proença] não foi combinado”.

Veja o vídeo com as intervenções mais polémicas da entrevista.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir