Mundo

Vídeo: Morreu o idoso de 17 anos, um adolescente que queria mudar o mundo

sam berns 400 Chamava-se Sam Berns, tinha 17 anos e morreu de velhice, vítima de progeria, ou síndrome de Huntchinson-Gilford. Era um adolescente que vivia no corpo de um idoso, em virtude da sua doença. Este adolescente norte-americano deixou um legado: uma mensagem de confiança na descoberta da cura daquela doença.

Morrer de velhice aos 17 anos foi o destino de Sam Berns, que não atingiu a maioridade, por culpa de uma doença rara: síndrome de Huntchinson-Gilford.

Esta condição, também conhecida por progeria, provoca um aceleramento do processo de envelhecimento humano, ainda que as capacidades cognitivas se mantenham inalteráveis. Ou seja, Sam foi um adolescente que viveu quase sempre no corpo de um idoso.

Sam Berns partiu na passada sexta-feira, segundo adiantou a BBC. O jovem norte-americano ficou célebre pelas diversas palestras em que participou nos Estados Unidos, sobretudo para falar da sua doença, mas também para abordar a condição humana de um ser diferente, vítima de um problema de saúde raro.

O nome de Sam ficou desde sempre ligado à Progeria Research Foundation, uma instituição que acolheu este jovem membro, fazendo do norte-americano uma espécie de embaixador.

Filho de dois médicos, Sam conseguiu ter a sua vida prolongada o máximo possível. Mas este adeus foi confirmado pela própria instituição, que promoveu uma pequena homenagem no Facebook.

Veja um vídeo de uma palestra de Sam Berns, um adolescente no corpo de um idoso, que acreditava que conseguia mudar o mundo. E conseguiu-o.

Mais partilhadas da semana

Subir