Ciência

Ventilador português “a duas semanas” de ficar disponível

O Pneuma, um ventilador de baixo custo e fácil montagem que está a ser desenvolvido em Portugal, deve ficar disponível dentro de “duas semanas”, de acordo com o coordenador do projeto, Nuno Cruz.

O objetivo da equipa formada por engenheiros e médicos do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) é permitir que os ventiladores convencionais sejam direcionados para os casos mais graves de covid-19.

Citado pela Renascença, Nuno Cruz adiantou que o Pneuma “já foi testado em ensaios pré-clínicos”, estando agora a ser preparada toda a operação de fabrico.

“Além de um desafio tecnológico, é um desafio de planeamento para disponibilizar atempadamente, e em número suficiente, ventiladores às nossas unidades de saúde”, frisou o coordenador do projeto.

O Pneuma funciona como um ventilador de emergência e transporte, podendo ser utilizado mesmo sem acesso à energia elétrica.

Permite controlar e monitorizar diversos parâmetros, como controlo do volume e frequência respiratória e relação inspiração-expiração.

“É baseado num dispositivo médico homologado e que faz parte da rotina médica (balão autoinsuflável) e é rapidamente replicável, ou seja, é mais fácil, rápido e económico produzir soluções iguais a esta do que ventiladores novos”, frisou Nuno Cruz.

A equipa de engenheiros e médicos acredita que dentro de “duas semanas” será possível apresentar às autoridades de saúde um plano para a entrega destes ventiladores.

0Shares

Em destaque

Subir