Motores

Uma ‘aprendizagem’ difícil do Hyundai no asfalto para Bruno Magalhães

Bruno Magalhães teve uma estreia com o Hyundai i20 R5 no asfalto mais difícil do que provavelmente imaginaria, terminando o Rali de Castelo Branco na quinta posição.

O piloto de Oeiras e o seu navegador, Hugo Magalhães, nunca tinham competido com o carro coreano neste tipo de superfície, pelo que a prova da Escuderia de Castelo Branco foi utilizada quase como um ensaio.

“Sabíamos que era preciso descobrir o carro e as melhores afinações para este tipo de piso. Nesse sentido, o Rali de Castelo Branco foi importante para retirarmos algumas ilações e atacarmos as próximas provas, onde espero estar nos primeiros lugares. Vamos continuar a trabalhar porque ainda há muito campeonato pela frente”, referiu Bruno Magalhães após o final da prova.

O tricampeão nacional e vice-campeão da Europa de ralis nunca conseguiu acompanhar o andamento dos da frente, embora já esperasse ter algumas dificuldades, face à pouca experiência com o i20 R5 no asfalto. Além disso a experiência na prova dos seus adversários acabou também por ser determinante para a diferença de tempo.

Bruno prefere destacar os pontos conseguidos para o campeonato e a aprendizagem que fez do carro na superfície que domina esta segunda metade da época: “Foi um rali difícil e muito disputado, que marcava a nossa estreia no asfalto com o Hyundai i20 R5. Nesse sentido, Castelo Branco foi uma prova importante para recolhermos informação que nos poderá ser útil no futuro”.

“Obviamente que gostaria de ter terminado num dos lugares do pódio, mas vamos continuar a trabalhar porque ainda há muito campeonato pela frente”, remata o piloto de Oeiras que vai começar a pensar no Rali Vinho Madeira, uma prova que conhece bem e que se disputa dentro de pouco mais de um mês.

Mais partilhadas da semana

Subir