Ásia

Trump pede à China fim imediato das tarifas agrícolas

O Presidente dos EUA, Donald Trump, pediu na sexta-feira à China o fim imediato das tarifas aos produtos agrícolas norte-americanos face aos avanços nas negociações comerciais entre os dois países, adiantou a Efe.

“Pedi à China que levante de imediato todas as tarifas aos nossos produtos agrícolas (incluindo a carne de vaca, de porco, etc.), tendo em conta os progressos que temos feito nas negociações comerciais”, escreveu Trump na sua conta no Twitter.

O presidente norte-americano também citou a sua recente decisão de adiar um aumento de 10 por cento a 25 por cento das tarifas a importações chinesas avaliadas em 200 mil milhões de dólares (perto de 176 mil milhões de euros), que devia entrar hoje em vigor.

“Isto é muito importante para os nossos agricultores e para mim”, acrescentou o Presidente dos EUA.

O pedido de Trump é uma resposta às consequências que está a ter a guerra comercial entre os EUA e a China para as comunidades rurais norte-americanas, as quais concentram uma grande parte da base social de apoio do Presidente norte-americano.

Na semana passada, a governadora da Dakota do Sul alertou que a guerra comercial tinha devastado o seu estado.

No último fim de semana, Trump decidiu adiar a subida das tarifas, no final de uma nova ronda de conversações entre a sua equipa e a delegação chinesa.

Trump destacou os “avanços substanciais” numa série de “assuntos estruturais”, como a transferência de tecnologia, a propriedade intelectual, a agricultura e as moedas.

O Presidente mostrou-se otimista sobre a ratificação de um acordo, que pode acontecer em março numa cimeira com o seu homólogo chinês, Xi Jingping, em Mar-a-Lago, a residência de férias que Trump detém no estado da Florida.

Xi Jingping e Donald Trump acordaram em dezembro uma trégua de 90 dias na guerra comercial, ao longo da qual a China aplicou várias medidas para demonstrar boa vontade para fechar um acordo, como a redução de impostos sobre veículos dos EUA e a retoma da compra de soja ao país.

No entanto, em Washington reina algum ceticismo, considerando-se que nestes meses Pequim mostrou pouco interesse em aceitar mudanças em temas mais delicados.

Os EUA registam em relação à China um considerável défice comercial, algo que Trump atribui às “injustas práticas” do gigante asiático e que estiveram na origem da guerra de tarifas.

Em 2017, os EUA exportaram para a China produtos no valor de 130 mil milhões de dólares (cerca de 115 mil milhões de euros), enquanto as vendas de Pequim para o mercado norte-americano ascenderam a 506 mil milhões de dólares (cerca de 445 mil milhões de euros).

Mais partilhadas da semana

Subir