Tecnologia

Tribunal proíbe Uber na Alemanha e subscrições da app disparam 590 por cento

taxis lisboa O Tribunal de Frankfurt proibiu o uso da aplicação Uber em toda a Alemanha, por concorrência desleal para os táxis. A decisão levou a uma escalada das subscrições da app, com uma subida de 590 por cento.

Usar o smartphone para alugar um carro com motorista não registado como taxista é concorrência desleal para os táxis. A decisão é de um juiz de Frankfurt, que decretou a proibição da aplicação Uber em toda a Alemanha. Só que o tiro saiu pela culatra e a app registou um brutal aumento de 590 por cento nas subscrições.

De acordo com o porta-voz da empresa na Alemanha, o mediatismo da sentença judicial levou a que a Uber seja procurada até em cidades onde o serviço ainda não existe. A Uber permite, através de um smartphone, alugar uma viatura com condutor ou partilhar boleia com um utilizador registado.

“Em 24 horas, vimos o maior aumento do ano em subscrições da Uber na Alemanha e isto surge já depois de estarmos a quintuplicar o nosso crescimento desde o início de 2014. Temos assistido também a um aumento da procura em zonas rurais, uma vez que as pessoas pretendem uma solução mais segura e conveniente para viajarem no país e em áreas onde os transportes públicos não estão facilmente acessíveis”, afirmou o porta-voz da empresa, Fabien Nestmann.

Prometendo recorrer da decisão do Tribunal de Frankfurt, Nestmann destacou as vantagens da aplicação: “nós acreditamos que a escolha é uma coisa bonita. Os consumidores ganham, as cidades ganham, as pessoas ganham. Só que parece que existem pessoas que estão a tentar limitar a escolha dos consumidores pelas razões erradas”.

A crítica tinha por destinatário os taxistas de Frankfurt, que meteram um processo em tribunal para proibir o uso da Uber, uma aplicação presente em mais de 200 cidades em 45 países.

O juiz deu-lhes razão e foi ainda mais longe: a Uber passa a estar proibida em todo o território alemão, para evitar que haja concorrência desleal ao serviço de táxi.

A aplicação já estava proibida noutras cidades alemãs, nomeadamente em Berlim e Hamburgo. Com o acumular de processos movidos pela associação de taxistas Taxi Deutschland, o juiz do tribunal de Frankfurt simplificou a restrição ao estendê-la a todo o país, validando a acusação de que a Uber fornece um serviço de transporte irregular e sem autorização.

Por cada utilizador que seja detetado a usar o serviço a empresa vai pagar uma multa de 250 mil euros.

De fora da proibição fica a opção ‘UserBlack’, uma vez que tem caraterísticas específicas: são alugadas limousines com condutores certificados. Esta é a única opção da Uber em Lisboa, a única cidade portuguesa onde o serviço está disponível.

A associação de taxistas congratulou-se com a sentença, lembrando (em comunicado) que o transporte de clientes “não se pode fazer sem autorização dos poderes públicos e sem acreditação dos condutores”.

Para além da Alemanha, a Uber está proibida na Bélgica e em cidades como Londres e Paris.

Em destaque

Subir