Motores

O tremendo azar de Diogo Gago no arranque da Peugeot Rally Cup Ibérica

Depois da excelente exibição no Rali das Canárias, prova do Campeonato da Europa de Ralis onde venceu o ERC Júnior, Diogo Gago esperava resultado idêntico na prova de abertura da Peugeot Rally Cup Ibérica.

O piloto algarvio estava consciente que o Rali de Portugal é uma prova de extrema exigente, até pela sua experiência, mas nunca imaginava que na quinta especial do segundo dia acabaria por ser forçado a abandonar.

Fotos: AIFA/Jorge Cunha

“Nunca imaginei que fosse assim tão duro. Troços feitos para os WRC mas não para estes carros. A verdade é que comecei bem, a vencer em Viana do Castelo, mas depois vieram os furos, que se sucederam. Tudo se complicaram, e na segunda passagem pelo segundo troço tudo acabou. Foi uma grande desilusão, pois eu e o Miguel (Ramalho) tínhamos preparado bem a prova” afirma Diogo Gago.

O piloto de São Brás de Alportel não ‘desarma’ face a este desaire, até porque a Peugeot Rally Cup Ibérica é uma prioridade, mas há ideia de entrar noutras ‘frentes’: “Tenho um compromisso para com os patrocinadores de fazer o troféu, e é ponto assente que vou a Ferrol, mas antes disputarei o Rali de Castelo Branco. Esse vai ser agora o nosso foco”.

A prova das Canárias ainda está na retina. Um triunfo que Diogo Gago explica pela forma como abordou a prova espanhola do ERC: “Tudo foi perfeito. Começou pelo ‘set-up’ que obtivemos no test antes da prova. Foi a ‘receita’ para andarmos como andamos, num rali que não foi fácil, apesar de termos ganho as duas rodas motrizes. Em primeiro lugar por ser uma prova de asfalto, e depois por se tratar das Canárias, um rali completamente novo para mim”.

Este êxito levou o algarvio a pensar em mais ‘saídas’ no ERC Júnior, mas Diogo Gago enfatiza que há questões orçamentais e outras que são um entrave: “No Rali de Roma não podia alinhar porque é na mesma altura do Ferrol, e essa prova é prioritária, por contar para a Peugeot Rally Cup Ibérica. Mas é evidente que a vitória nas Canárias me deixou com vontade de disputar mais provas do ‘Europeu’, porque sinto que posso ser muito competitivo e estou preparado para os confrontos internacionais, dada minha experiência passada”.

3Shares

Em destaque

Subir