Cultura

Teatro D. Maria estreia “Mau, mau, lobo mau!” para as crianças poderem lidar com o medo

O medo e a legitimidade de ter medo dominam a peça para crianças “Mau, mau, Lobo mau!”, em cena no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, a partir de sábado, todos os sábados, até 23 de março.

A peça fala “sobre o medo e a legitimidade de se ter medo”, disse à agência Lusa a encenadora Catarina Requeijo, que põe em cena uma colagem de textos escritos por Inês Fonseca Santos e Maria João Cruz, a partir de histórias e contos infantis.

A ação centra-se numa menina que não tem medo de nada e que anda à procura de ter medo de alguma coisa, até que se encontra com um lobo que devia provocar-lhe medo, mas que não consegue fazê-lo, acrescentou a encenadora.

Questionada sobre a influência de “O capuchinho vermelho”, Catarina Requeijo admite que a peça se inspira numa figura de um lobo mau e em outras histórias para crianças que falam sobre o medo, já que este foi o ponto de partida para o trabalho.

“E é dessa colagem de várias histórias que surge a dramaturgia do espetáculo”, observou.

A escolha do medo, como tema, era evidente para Catarina Requeijo. A encenadora argumentou que este “é estruturante no crescimento pessoal das crianças, bem como no de todos os seres humanos e até dos animais”.

O medo “é o que nos faz não nos atirarmos de uma janela”, disse à Lusa. “É o que nos protege de uma série de coisas. Por isso achámos interessante falar sobre o medo nesta fase da infância dos três aos seis anos”, argumentou.

Falar de medo para que se possa ultrapassá-lo, assimilá-lo, integrá-lo. “Tudo depende da forma como se encara a questão”, sublinhou. Abordar o medo, “para que as crianças percebam que é uma coisa normal”, acrescentou, alegando que se fala muito pouco sobre o medo.

“Mau, mau, Lobo Mau!”, a peça – com Gonçalo Egito e Sandra Pereira –, é dirigida a famílias com crianças dos três aos seis anos, vai estar em cena no Salão Nobre, e é o quarto trabalho do projeto “Boca Aberta”, iniciado em 2015, no Teatro Nacional D. Maria II.

Trata-se do primeiro de dois espetáculos produzidos pelo D. Maria II, este ano, no âmbito do projeto pensado para a infância. Em 11 de maio estrear-se-á o segundo, “Falas estranhês”, que ficará em cena até 01 de junho.

O “Boca Aberta” procura introduzir as crianças ao teatro e às expressões dramáticas, com espetáculos desenvolvidos a partir de textos que fazem parte do Plano Nacional de Leitura, clássicos da literatura portuguesa e obras de autores portugueses e estrangeiros.

Pelo quarto ano consecutivo, este projeto do D. Maria II leva dois espetáculos a jardins de infância da cidade de Lisboa, e atrai crianças à casa do teatro, no Rossio, com apresentações no Salão Nobre, destinadas a escolas e a famílias.

Na edição deste ano, o “Boca Aberta” foi alargado a todos os jardins de infância da cidade, estando agora presente em mais de setenta salas de aula.

A juntar aos espetáculos, o “Boca Aberta” oferece ainda formação para educadores de infância e professores do ensino básico, em oficinas realizadas anualmente, pelas quais já passaram mais de cem profissionais de educação, segundo os números do Nacional D. Maria.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir