Mundo

STJ venezuelano no exílio ratifica condenação de PR Nicolás Maduro por corrupção

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) venezuelano, no exílio, condenou hoje o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, à pena de 18 anos e três meses de prisão, por corrupção no âmbito da investigação relacionada com a empresa brasileira Odebrecht.

“Condena-se o cidadão Nicolás Maduro Moros a cumprir a pena corpórea imposta de 18 anos e três meses de prisão, assim como penas principais e acessórias (…) por ser responsável na comissão de delitos de corrupção própria previsto e sancionado na Lei Contra a Corrupção e Legitimação de Capitais e na Lei Orgânica contra a Criminalidade Organizada e Financiamento do Terrorismo”, lê-se no texto da decisão.

Segundo o texto da sentença, são penas acessórias, a inabilitação (impedimento jurídico) política durante o tempo de cumprimento da sentença e a sujeição a vigilância da autoridade durante uma quinta parte do tempo de prisão estipulado.

A sentença, que estabelece como local para cumprimento da sentença o Centro Nacional de Processados Militares de Ramo Verde (sul de Caracas), foi aprovada por unanimidade pelos 25 magistrados do STJ no exílio e tem por base um procedimento iniciado pela ex-procuradora-geral da Venezuela, Luísa Ortega Díaz (também no exílio) que pediu o julgamento do Presidente pelo delito de corrupção.

Por outro lado estabelece o pagamento de uma multa pelo valor de “50 por cento do benefício recebido ou prometido” e solicitado à empresa Odebrecht, para o financiamento, em 2012, da campanha eleitoral do falecido Presidente Hugo Chávez (que dirigiu o país entre 1999 e 2013).

Segundo o STJ no exílio, Nicolás Maduro deverá pagar uma multa de 25 milhões de dólares (21,9 milhões de euros, ao câmbio atual).

O STJ no exílio ordena ainda que as autoridades eleitorais venezuelanas sejam notificadas e insta o Ministério Público da Venezuela a investigar pessoas vinculadas na comissão de delitos puníveis, relacionadas com este caso.

“Ordena-se a emissão de um mandado de captura à International Criminal Police Organitacion (INTERPOL), com motivo da sentença condenatória privativa de liberdade contra Nicolás Maduro Moros, anexando uma cópia certificada”, explica.

O documento precisa que a mesma notificação deve ser enviada ao Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (CICPC, antiga Polícia Técnica Judiciária), o Serviço Bolivariano de Inteligência (serviços secretos) a Polícia Nacional Bolivariana e os componentes das Forças Armadas Venezuelanas”.

Por outro lado declara a existência de um “vazio constitucional” em virtude da condenação do Chefe de Estado e “decreta a destituição definitiva de Nicolás Maduro Moros do cargo do Presidente da Venezuela”.

Desta destituição e da sentença vão ser notificadas organizações internacionais, entre elas a ONU, Organização de Estados Americanos, Organização de Países Exportadores de Petróleo, Mercosul, Comunidade Andina, União Europeia, Banco Inter-americano de Desenvolvimento, Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional e a Corporação Andina de Fomento.

“Pelo caráter transcendental da decisão, acordou-se notificar a Assembleia Nacional da Venezuela (parlamento, onde a oposição detém a maioria) para os efeitos constitucionais e legais correspondentes”, lê-se ainda no texto que divulga a ratifcação da sentença.

A decisão do STJ no exílio teve lugar hoje na cidade de Bogotá, Colômbia.

As autoridades de Caracas não reconhecem as decisões do Supremo Tribunal de Justiça no exílio.

Mais partilhadas da semana

Subir