Desporto

SMS do “Metam a Taça no c*” foi “muito calminha”, diz Bruno de Carvalho

Bruno de Carvalho foi um dos convidados do ‘5 Para a Meia-Noite’ e não se esquivou a comentar as polémicas do final de mandato como presidente do Sporting, incluindo as SMS enviadas ao plantel. O ex-dirigente confirma o enviou daquelas mensagens a André Geraldes, em vésperas da final da Taça de Portugal.

Questionado diretamente sobre as SMS por Filomena Cautela, o presidente destituído dos leões assumiu sem complexos que as mandou, incluindo a do “Metam a Taça no c*”.

E explicou “algo que é humano e que toda a gente se vai esquecendo”.

“Nós estávamos a fazer um jogo importantíssimo em que acabámos por perder 20 a 30 milhões e oferecê-los a um rival direto. Acho que a minha mensagem foi muito calminha”, afirmou Bruno de Carvalho.

Ainda sobre as polémicas, “Brunão” (como lhe chamou Filomena Cautela) comentou ainda os títulos de “um jornal” sobre a alegada ligação ao ataque à academia de Alcochete.

“Já li coisas como ‘palavras de Bruno de Carvalho incitam à violência’ e ‘silêncio de Bruno de Carvalho incita à violência’. Acho que só o facto de eu respirar incita à violência. Mas preferem pôr aqueles encapuçados ridículos”, rematou.

Mais para a frente do programa, voltou a garantir que nunca “provocaria, de forma direta ou menos direta, problema a algum jogador”.

“Se quiser confrontar uma equipa não preciso de 50 marrecos como os encapuçados, dizia às o que tinha a dizer. As pessoas têm que se lembrar que os dirigentes têm família. O mais estranho que aprendi é que dizem coisas desagradáveis quando estou com a família, com uma violência verbal grande”, sustentou.

Mas os tempos em Alvalade já lá vão.

“A primeira reação é humana, normal, sentimento grande de ingratidão, depois a vida continua. Boa sorte para o Sporting”, respondeu, quando questionado se ainda estava chateado.

Mostrando um lado mais intimista, o ex-presidente do Sporting revelou ter uma coleção de mais de 4000 filmes e traçou uma comparação curiosa com uma série conhecida.

“O Walking Dead é muito parecido com o futebol. Foi a impressão com que fiquei”, disse.

Nos desafios do programa, o ex-dirigente mostrou-se absolutamente impassível no jogo do sério, levando a apresentadora a desmanchar-se a rir quando passou uma música de… Maria Leal.

No jogo da pressão, Bruno de Carvalho revelou que não tem cuecas verdes e que, tendo de ficar preso num elevador com uma de três personalidades, escolhia Pedro Guerra em vez de Rui Santos ou Vítor Espadinha.

“Com o Pedro Guerra, de certeza absoluta que vínhamos parar cá baixo e ele [o elevador] abria”, justificou.

A finalizar, tendo de usar apenas uma palavra para comentar as sugestões dadas, escolheu “circo” para Paulo Futre, “cineasta de Hollywood” para Frederico Varandas e “boa onda” para… Pinto da Costa.

Mais partilhadas da semana

Subir