Saúde

Sida: Gatos fluorescentes imunes ao vírus criados em laboratório (vídeo)

Pesquisa permite manipular gatos geneticamente, tornando-os fluorescentes e imunes ao vírus da sida (Vírus da Imunodeficiência Felina). Esta pode ser a ‘cura’ para uma doença que mata milhões de felinos, mas também uma importante descoberta no combate ao VIH.

Há gatos persas, siameses, de dezenas de outras raças. E há, agora, os gatos fluorescentes. Trata-se de uma nova ‘espécie’ criada em laboratório, que tem a particularidade de ser imune ao vírus da sida.

Foram injetados dois genes de macacos. Um deles produz a fluorescência e permite que os investigadores verifiquem que o outro gene ficaria integrado no genoma. O resultado são gatos luminosos e mais uma luz ao fundo do túnel, no combate à sida.

A pesquisa norte-americana levou à descoberta da resistência ao Vírus da Imunodeficiência Felina (VIF). Segundo o investigador Eric Poeschla, este trabalho tem vantagens na saúde dos animais e do Homem.

Para levar a cabo esta pesquisa e dotar o gato de imunidade, foi inserido um gene ADN, através de um vírus. A sida felina é uma pandemia que provoca a morte de milhões de gatos em todo o mundo, ano após ano. O vírus VIF é muito semelhante ao VIH.

O VIF causa a sida nos gatos da mesma forma que o HIV provoca a doença nos humanos: afeta células-T, que têm como papel combater as infeções.

“Esta investigação tem como finalidade produzir efeitos positivos na saúde felina, mas também na humana”, refere Poeschla, diretor do estudo e biólogo molecular na Clínica Mayo, localizada nos EUA.

Mais partilhadas da semana

Subir