Mundo

“Se somos uma União, está na hora de o provarmos”, diz primeiro-ministro de Itália

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, fez hoje um apelo solene à Alemanha para que haja mais solidariedade europeia no combate à pandemia da covid-19, que está a afetar severamente o seu país.

“Se somos uma União, está na hora de o provarmos”, escreveu Conte num artigo que será publicado quinta-feira no jornal semanário alemão Die Zeit.

“Precisamos de uma estratégia de recuperação económica (…). Todos os Estados europeus devem dar agora o seu contributo, sem exceção”, diz o líder italiano, cujo país é membro fundador da União Europeia e um dos seus pilares.

Essa “solidariedade (entre países europeus) deve ser expressa num plano comum que garanta, pela transparência e rigor de todos os participantes, que não ficamos apenas por uma união de transferências”, acrescenta Conte, no pedido que é feito diretamente ao Governo alemão.

Itália e Espanha, os países até agora mais afetados pela pandemia e com finanças públicas frágeis, querem um apoio financeiro maciço da União Europeia, para superar as consequências sanitárias, económicas e sociais da crise.

Apoiada por vários outros países europeus, incluindo Portugal e a França, a Itália sugere uma mutualização das dívidas dos países da zona do euro, que pode assumir a forma de “coronabonds”, fórmula que os países do norte, liderados pela Alemanha e pela Holanda, têm recusado.

“Devemos examinar os instrumentos apropriados para uma situação sem precedentes. Isso sem preconceitos ou vetos ‘a priori’”, defende o líder italiano no artigo que será publicado no Die Zeit.

“O objetivo é que todos juntos possamos sair desta crise o mais rápido possível, mais fortes e mais unidos”, sublinha.

Conte compara a pandemia de covid-19 a “um ‘tsunami’ que, como uma guerra, deixa a economia em ruínas e as pessoas traumatizadas”.

“É uma situação terrível que eu nunca pensei viver, como cidadão ou como primeiro-ministro”, conclui Conte.

A Itália é um dos países mais afetados pelo novo coronavírus, com mais de 110.000 casos confirmados e mais de 13.000 mortes (o maior número de fatalidades num só país).

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir